Uma equipa de mergulhadores do Destacamento de Mergulhadores Sapadores detonou, na tarde desta segunda-feira, 27 de Fevereiro, um engenho explosivo no mar da Nazaré. A bomba tinha sido recolhida de manhã por um arrastão de pesca que comunicou, de imediato, a situação à Autoridade Marítima. Depois de analisada em terra, o engenho explosivo, foi afundado com ajuda de gruas a cerca de 20 metros de profundidade, tendo sido detonado numa área com um perímetro de segurança de mil metros.

Devido à sua corrosão, não foi possível encontrar qualquer inscrição que pudesse identificar a origem da bomba. No entanto, a #Marinha Portuguesa informa que seria um engenho de aeronave com cerca de 1,50 metros de comprimento, e que que poderia conter explosivo correspondente a 600 quilos de trinitrotolueno (TNT).

Publicidade
Publicidade

A bomba foi resgatada do mar acidentalmente pela embarcação “Mar Salgado” durante uma actividade de pesca por arrasto. Os pescadores comunicaram, de imediato, as autoridades marítimas para aquela “pesca”, transportando o engenho ao porto da Nazaré, no distrito de Leiria, ao mesmo tempo que os agentes da Polícia Marítima montaram um perímetro de segurança.

A operação de detonação da bomba foi preparada em terra pela equipa de mergulhadores da Marinha, depois de terem efectuada uma análise e avaliação ao objecto. A meio da tarde, o engenho foi transportado pelo mesmo arrastão “Mar Salgado” que, com a ajuda de gruas, o devolveram ao mar, a 20 metros de profundidade numa área com um perímetro de mil metros, definido pela Polícia Marítima, para garantir a segurança de pessoas e embarcações. Um acção que contou, ainda, com a participação do Instituto De Socorros a Náufragos.

Publicidade

Depois de efectuada uma contra-detonação, os operacionais do Departamento de Mergulhadores Sapadores (DMS) verificaram a área e confirmaram a total destruição do engenho explosivo, iniciando os trabalhos de conclusão daquela operação, com a recolha do respectivo material. De referir que aquele Departamento tem, entre outras, a missão de reconhecer e inactivar engenhos explosivos, bem como efectuar a limpeza dos mesmos em canais de acesso, praias e locais de desembarque.