Os habitantes da pacata aldeia de Chão da Parada, no concelho das #Caldas da Rainha (distrito de Leiria), foram surpreendidos na madrugada desta segunda-feira, 20 de Novembro, com o assassinato de uma mulher, de 37 anos, com uma arma branca. O #Crime terá sido praticado pelo marido da vítima, um homem, ex-comando, de 38 anos. O caso, motivado por causas ainda não apuradas pelas autoridades, foi presenciado pelos três filhos do casal de 13, 9 e 2 anos de idade. O suspeito desferiu vários golpes no pescoço com a mesma arma, tendo sido socorrido e transportado para uma unidade hospitalar onde se encontra hospitalizado.

Tudo terá acontecido por cerca das 2h30 da madrugada desta segunda-feira num contexto de violência doméstica.

Publicidade
Publicidade

O que surpreendeu os habitantes daquela aldeia da freguesia de Tornada e Salir do Porto, é que a vizinhança nunca observou qualquer situação de agressividade ou de discussão entre Sandrina e Claude, considerando-o ser um casal harmonioso e com uma vida estabilizada. Aliás, o homem terá aberto, há cerca de um mês, um estabelecimento comercial de cafetaria. O certo é que Claude, um ex-comando de 38 anos, terá agredido a mulher, Sandrina, um ano mais nova, com uma faca, desferindo-lhe golpes que lhe tiraram a vida.

Depois de ter praticado o crime, o alegado homicida telefonou a um irmão relatando a situação, tendo posteriormente, tentado suicidar-se com vários golpes no pescoço, alegadamente com a mesma arma do crime. Terá sido o próprio irmão que, ao deslocar-se à residência do casal, deparou-se com o trágico cenário.

Publicidade

No local, estavam os três filhos do casal, menores de idade, que tiveram de receber acompanhamento psicológico pelos técnicos do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM). Os socorristas viriam a assistir o alegado agressor, que entrou em paragem cardiorrespiratória, tendo-o transportado para a unidade hospitalar das Caldas da Rainha onde a situação clínica foi revertida. A vítima viria a ser transferida, mais tarde, para o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra onde ficou hospitalizado, não devendo correndo risco de vida.

No local do crime estiveram os peritos e os investigadores da #Polícia Judiciária com vista a recolher vestígios e elementos de prova que levem a esclarecer as causas e em que circunstância terá sido cometido aquele assassinato. Sabe-se que o agressor tinha deixado na habitação uma carta escrita que foi recolhida pelos investigadores, cujo conteúdo poderá vir a esclarecer as razões que o levaram a praticar a fatídica agressão à mãe dos seus filhos.