A Polícia Judiciária (PJ) prendeu esta terça-feira de manhã, duas mulheres de 72 e 30 anos, respectivamente avó e neta, por suspeita de ter enganado um idoso em quase 5,5 milhões de euros, em Lisboa. Este roubo foi conseguido graças ao uso indevido a uma procuração falsa, criada por esta suposta dupla de malfeitoras. Num curto comunicado divulgado ao início desta tarde, a PJ informa que esta investigação, que culminou na detenção destas duas senhoras, foi realizada durante nove meses. A PJ seguiu todos os passos quer da vítima quer das mulheres envolvidas neste caso.

Ao que tudo indica "estas duas mulheres terão criado uma procuração fictícia que dava poderes a uma delas para movimentar a seu bel-prazer, as várias contas bancárias e apólices de seguro que este idoso possuía e que estavam avaliadas num valor total superior a cinco milhões de euros". "Este falso documento foi conseguido graças à proximidade de uma das mulheres a este idoso, de 80 anos, que entretanto faleceu, e que por isso encontrava-se com uma saúde bastante precária. Daí que ter feito um documento falso, baseado num suposto consentimento da vítima tenha sido fácil de obter. Tendo na sua posse esta falsa procuração, as duas mulheres detidas esta terça-feira movimentaram grandes quantidades de dinheiro do legítimo proprietário, entretanto desaparecido, para as suas próprias contas bancárias", podem ler-se no comunicado.

Com o desenrolar desta investigação da PJ, foram ainda detidos e constituídos arguidos mais três pessoas. Nas buscas feitas nas casas de cada uma das mulheres detidas, a polícia judiciária encontrou cerca de dois milhões de euros em dinheiro e duas viaturas de alta cilindrada. Estas duas mulheres foram acusadas de prática de crimes relacionados com burla qualificada, falsificação de documentos e branqueamento de capitais. Para já, ficaram sob a medida de coacção de uma prisão preventiva, sendo que nos próximos dias serão alvo de um primeiro interrogatório judicial, na presença de um juiz. #Terceira Idade #Crime