Hugo Spínola, um jovem de 26 anos, de ascendência cabo-verdiana, foi assassinado esta quinta-feira, com uma facada no peito. O jovem ter-se-á, alegadamente, envolvido numa acesa discussão, à saída de um café, no bairro do Zambujal, na Amadora, já perto da 1h00 da madrugada. O jovem já estaria a caminho de casa (a cerca de 200 metros), quando se terá dado a tragédia, sendo mortalmente esfaqueado. Segundo fontes policiais, foi possível vislumbrar pelo rasto de sangue, na zona do #Crime, que o jovem ainda se terá levantado para cair mais à frente, aproximadamente dez metros, onde acabou por sucumbir.

O autor do crime fugiu e a polícia ainda procura o suspeito. Já na manhã desta sexta-feira, alguns moradores locais garantiram à TVI que a polícia deteve um suspeito e que o terá levado para interrogatório, mas que, entretanto, já foi libertado. No entanto, os familiares não acreditam no cenário de existir apenas um suspeito neste crime. Acreditam que apenas uma pessoa não seria capaz de imobilizar a vítima e desferir uma só facada mortal.

Hugo Spínola é descrito pela família como "um homem de bem" e trabalhava como ajudante de cozinha, num hotel de cinco estrelas, na zona das Amoreiras, em Lisboa. Foi um primo da vítima que o encontrou já perto das 2h00 da manhã, sem vida, caído no chão, a cerca de 200 metros de casa.

A família foi avisada sobre este desfecho trágico durante a madrugada de quinta-feira, mas ainda não quer acreditar no sucedido. A irmã de Hugo Spínola, Sónia, disse na manhã desta sexta-feira, em declarações à TVI, que toda a família está "de rastos" e incrédula perante o homicídio do irmão. "Tanto nós, a família, como todos os amigos do meu irmão, estamos todos de rastos. Ele era boa pessoa. Toda a gente que o conhecia gostava dele. Eu só quero o meu irmão de volta", declarou a jovem, destroçada.

Também uma prima da vítima, Vera, descreveu o primo Hugo como um jovem muito sociável: "Sempre foi tão dado com os amigos, sempre tão brincalhão, se discutisse era sempre na brincadeira. Eu nem consigo imaginar quem é que lhe poderia fazer mal".