A cidade de Lisboa, que recentemente foi eleita o segundo melhor destino europeu de 2015, pelo Best European Destination, foi considerada, uma zona segura para os turistas. A Policia de Segurança Pública (PSP), por este motivo e de acordo com uma parceria com Espanha que tem cerca de três anos, reforçou o patrulhamento em vários pontos da capital portuguesa.

A intenção das autoridades passa pela prevenção e dissuasão da criminalidade em solo nacional. Os resultados destas medidas, implementadas entre 2012 e 2014, foram tornados públicos numa intervenção relacionada com "segurança e criminalidade envolvendo o #Turismo" que decorreu na passada quarta-feira, dia 1. Os números falam por si só: aumento do número de queixas crime por parte de cidadãos estrangeiros em esquadras turísticas; aumento das detenções de carteiristas; maior número de atividades de sensibilização; mais de 100 polícias obtiveram formação de língua Inglesa, Espanhola e Francesa;

Os estrangeiros, dentro e fora de Portugal, procuram constantemente informações sobre o nosso país, tais como acomodação, gastronomia, pontos históricos e transportes, através de balcões de turismo, agências, amigos e redes sociais, com vista a uma programação dos dias de estadia, otimização do percurso e viagem. Apesar de Lisboa ter sido superada por Bordéus (França) no Top do Ranking dos quinze melhores destinos europeus, mesmo assim este país da península Ibérica teve mais votação que Atenas (Grécia), Valeta (Malta), Riga (Letónia), Zagreb (Coácia), Liubliana (Eslovénia), Innsbruck (Áustria), Milão (Itália), Bruxelas (Bélgica), Viena (Áustria), Roma (Itália), Barcelona (Espanha), Istambul (Turquia) e Madrid (Espanha). Daí que nas épocas festivas, como é o caso agora da Páscoa, haja o uso adicional de 100 agentes da polícia no terreno, que normalmente estariam em funções administrativas, mas que, desta feita, fazem patrulhamento nas áreas visitadas por cidadãos de diferentes nacionalidades.

Os dados estatísticos, segundo comunicado das forças de segurança pública, indicam que o número de denúncias aumentou o ano passado, para 7500, comparativamente com o período homólogo anterior em que foram de 5400. O mesmo documento acrescenta que este acréscimo de crimes participados deve-se ao fato de os estrangeiros terem mais conhecimento sobre a existência das esquadras dedicadas a queixas relacionadas com Turismo.