Cerca de 250 crianças foram esta terça-feira assistidas depois de terem apresentado sintomas de comichão e vermelhidão na pele, enquanto se encontravam na praia de Carcavelos, concelho de Cascais. Um menino e uma menina precisaram mesmo de ser assistidos no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, por apresentarem pruridos na pele. A alergia sentida pelas centenas de crianças pode estar relacionada com a lagarta do pinheiro e não com as condições de uma das praias mais procuradas da Linha de Cascais.

Os primeiros alertas foram dados depois das 11h00, quando os alunos de uma escola de Belém, no concelho de Lisboa, começaram a apresentar queixas de comichão e ainda vermelhidão no corpo. Para o local foram chamados meios do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), dos bombeiros das corporações de Carcavelos e São Domingos de Rana e Polícia Marítima. As crianças foram assistidas na praia, mas duas, uma menina de oito anos e um menino de seis, foram transportadas para o hospital. A Unidade de Planeamento e Crise também foi acionada e a Direção Geral de Saúde e o Instituto Ricardo Jorge já foram informados da ocorrência. O delegado de saúde deverá ordenar a realização de análises à água, mas as autoridades suspeitam que a alergia tenha a ver com a lagarta do pinheiro e não com as condições da praia. Nesta altura do ano, os pinheiros libertam um pó amarelo que é responsável por muitas alergias e ainda por dificultar a respiração.

Depois de serem assistidas ainda na praia, as centenas de crianças que gozavam um dia de férias à beira mar estão a ser transportadas em autocarros da Junta de Freguesia de Belém para serem entregues aos respetivos progenitores, que deverão ficar alerta nos próximos dias para a evolução do problema. Caso os sintomas se agravem, devem levar as crianças ao médico.

Apesar do alarme causado, a praia não foi encerrada e os muitos veraneantes continuaram a usufruir de momentos à beira-mar. A praia de Carcavelos é uma das mais concorridas da Linha de Cascais. Nesta altura do ano, é costume muitas escolas ou associações levarem as crianças à praia, em atividades extracurriculares, enquanto os pais não se encontram de férias. #Casos Médicos