Uma professora do 1º Ciclo, acusada de agredir 19 crianças de 6 anos, foi hoje condenada a seis anos de prisão. A informação foi divulgada no site oficial da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa e veio dar uma conclusão definitiva à acusação de que esta teria cometido vários crimes, durante o ano lectivo de 2012/2013, contra vários dos seus alunos. A professora da Escola Santos Mattos sempre negou as acusações, mas os depoimentos das crianças e de várias testemunhas foram suficientes para a condenarem. Durante todo o processo, tal como informa o comunicado, a condenada nunca mostrou sinais de arrependimento.

Terminou hoje um processo que se arrastou durante quase dois anos.

Publicidade
Publicidade

Em causa estava uma acusação contra uma professora que teria agredido fisicamente e psicologicamente quase duas dezenas dos seus alunos, "todos a rondar os seis anos". Esta foi dada como culpada pela Instância Central Criminal de Sintra, pertencente ao distrito de Lisboa, que deu razão às vítimas. A professora do 1º Ciclo foi condenada por três crimes de ofensa à integridade física qualificada e 16 crimes por maus tratos.

Para a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa, a arguida nunca mostrou estar arrependida e negou sempre os actos a que estava a ser acusada. Contudo, o tribunal considerou todos os depoimentos contra a arguida credíveis e entendeu que foram ao encontro de outras provas apresentadas em tribunal. Por isso mesmo, o tribunal considera que não há dúvidas de que a professora é responsável pelos seus actos de violência física e psicológica aos alunos, verificados durante o ano lectivo de 2012/2013.

Publicidade

A arguida, que não exerce a profissão desde que foi acusada destes crimes, continua em liberdade, aguardando que todo o processo esteja finalmente completo, de forma a que esta possa seguir para a prisão, avança o site "Observador". As redes sociais já reagiram à decisão formal do Tribunal e, na sua grande maioria, congratulam a punição exemplar a um acto "desprezível e cobarde", como forma de dar o exemplo. #Justiça #Crime