Não são verdadeiras, mas cópias de altíssima qualidade. Chiado, Bairro Alto e Príncipe Real acolhem a exposição “ComingOut”, iniciativa organizada pelo Museu Nacional de Arte Antiga, em parceria com a Câmara Municipal de Lisboa e a HP Portugal. Organização pretende que a exposição dure até 1 de Janeiro de 2016, de acordo com a página oficial do Museu.

A ideia não é nova. Em Junho de 2007, os londrinos habituaram-se, durante 12 semanas, a passearem-se pelas ruas mais emblemáticas do país, observando perfeitos exemplares de obras de Caravaggio ou Constable, cópias das autênticas obras expostas no The National Gallery. A conquista de um maior número de visitantes no museu para contemplar as verdadeiras obras foi um sucesso tão grande que a iniciativa chegou agora a Portugal com o objectivo de se tornar na melhor exposição de arte de sempre.

A ideia de adoptar a mesma iniciativa de Londres pertenceu ao Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) e contou não só com o apoio da HP Portugal, para a impressão das telas em cópias de alta qualidade e em formatos idênticos aos dos originais, e com o patrocínio da Câmara Municipal de Lisboa. Ao todo contam-se 31 reproduções de obras originais que podemos admirar na Colecção Permanente do Museu, entre as quais os célebres 6 Painéis de São Vicente do artista Nuno Gonçalves.

A “ComingOut. E se o museu saísse à rua?” já está a fazer furor por entre o público português e promete, nestes cerca de 3 meses, criar polémica na sociedade portuguesa. Isto porque, apesar de os originais continuarem a salvo nas paredes do MNAA, isso não impede que os exemplares expostos nas ruas sejam vandalizados e roubados. Ainda que as cópias expostas não tenham qualquer valor patrimonial, o facto é que a reprodução da pintura O Inferno, de um artista desconhecido do século XVI, foi roubado na passada quinta-feira na Rua da Rosa, apenas dois dias depois da inauguração da exposição.

António Filipe Pimentel, director do MNAA, em declarações à Agência Lusa, não parece surpreendido com o assalto e confessa mesmo que essa situação já era expectável, uma vez que há 8 anos na exposição de Londres ocorreu exactamente o mesmo problema. Espera-se muita afluência nas zonas do Chiado, Bairro Alto e Príncipe Real e que o sucesso alcançado em Londres se transfira para Portugal, e que se materialize no aumento da venda de bilhetes para visitar o MNAA, na Rua das Janelas Verdes, em Lisboa. #Artes #Exposições