Depois de uma semana de intensas buscas, sem sucesso, o corpo de Samira deu à costa na manhã deste domingo, tendo sido encontrado cerca das 9:45 horas por dois homens durante um passeio matinal à beira-mar. O cadáver estava numa zona de rebentação, não muito distante da mesma zona onde a irmã foi localizada na noite da tragédia. As duas menores terão sido levadas pela própria mãe para as águas do rio Tejo. A mulher foi resgatada em avançado estado de hipotermia por um popular, mas a pequena Viviane, de 19 meses, foi retirada já sem vida. Samira, de 4 anos, esteve desaparecida até este domingo.

A situação deu origem a um inquérito crime instaurado no Departamento de Investigação de Acção Penal (DIAP) de Oeiras, depois de uma participação da Capitania do Porto de Lisboa (#Polícia Marítima). Sónia Lima, de 37 anos, foi detida pela Polícia Judiciária e, após primeiro interrogatório judicial, foi-lhe aplicada a medida de coacção de prisão preventiva. A mulher está indiciada por dois crimes de homicídio qualificado, que segundo a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa , terão sido praticados “em circunstâncias reveladoras de especial censurabilidade ou perversidade”, realçando a “tenra idade” das vítimas impossibilitadas de se defenderem.

Aquela tragédia que tem abalado o país, já fez correr muita tinta, sem que exista uma justificação cabal sobre o que terá feito Sónia Lima a praticar, alegadamente, aquele acto. Sabe-se que existe um conflito entre a mulher e o pai das menores, que terá formulado, recentemente, um pedido de custódia das filhas. Pelo meio, os dois formularam várias queixas às autoridades visando situações de violência doméstica e uma alegada violação a uma das meninas.

O corpo de Viviane saiu cerca das 14 horas de sábado do Instituto de Medicina Legal, em Lisboa, para ser preparado para as cerimónias fúnebre deste domingo, em Rio de Mouro.

Entretanto, o Jornal de Notícias informa, citando fonte da Direcção Nacional da Polícia de Segurança Pública, que as cerimónias fúnebres da bebé, que decorrerão este domingo, serão vigiadas por um dispositivo policial, tendo em conta a tensão entre as duas famílias, bem como os conflitos gerados nas redes sociais, que terão originado, mesmo, ameaças de morte a Nelson Ramos, pai das menores. #Afogamento