Depois de Bruxelas ter sido alvo de várias explosões, o mundo une-se para prestar homenagem às famílias das vítimas dos ataques. Portugal não deixou de fazer parte desse momento e, às 21 horas desta terça-feira, a Câmara de Lisboa iluminou-se com as cores da bandeira da Bélgica (preto, amarelo e vermelho). 

A homenagem decorreu durante uma cerimónia que contou com a presença do embaixador da Bélgica e com Fernando Medina, presidente da edilidade lisboeta. De acordo com o Diário de Notícias, no final da homenagem, que durante a mesma será cantado o hino belga, será feito um minuto de silêncio pelas vítimas do atentado terrorista desta terça-feira, em Bruxelas. 

Esta iniciativa tem como objecto mostrar que a Câmara Municipal de Lisboa "repudia o #Terrorismo" e mostra solidariedade pelas vítimas "dos bárbaros atentados" que aconteceram na manhã desta terça-feira, leu-se num comunicativo divulgado pela câmara de Lisboa. 

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, escreveu uma carta dirigida às famílias belgas mostrando o seu repúdio pelos terroristas. Nesta carta, Marcelo deixou claro que temos de "lutar pela liberdade e pela democracia" e que é "nos momentos de crise que temos de frisar esses direitos".

Não foi apenas o presidente português que mostrou o seu apoio; na Assembleia da República vários membros dos diferentes partidos também deixaram a sua mensagem. De entre as mensagens pode-se encontrar afirmações como "não nos podemos deixar afectar pelo ódio e a violência". Um dos políticos presentes na Assembleia chamou a tenção para a necessidade de pôr fim ao apoio a grupos que causam terror. 

Nos atentados foram usadas 4 bombas, no entanto apenas explodiram duas; as restantes foram encontradas por desarmar dentro de mochilas. O facto de terem sido encontradas duass bomba intactas levou a que as autoridades belgas considerassem a falta de experiência dos 3 homens que as colocaram; por outro lado existe a suspeita de que o atentado tenha sido planeado com alguma antecedência. A autoria dos ataques já foi reivindicada pelo Estado Islâmico.

Tal como foi feito para as vítimas do atentado em Paris, em Novembro, alguns locais da Europa mostraram apoio às vítimas de Bruxelas, como a Torre Eiffel, em Paris, que está iluminada com as cores da nação belga. Fora da Europa também se mostra apoio, como no Dubai, com a iluminação do Burj Khalifa.