Foi no final da tarde desta terça-feira (21 de Março) que na #Câmara Municipal de Lisboa(CML), situada na Praça do Município, uma funcionária terá sido atingida na cara por um produto químico, quando abria um envelope. A senhora é a responsável pela triagem de toda a correspondência que dá entrada naquele edifício, e foi quando efectuava a sua função que terá tido contacto com algum produto nocivo, que lhe provocou irritação ocular e dificuldade respiratória, tal como avançou o Correio da Manhã na sua edição online. A mesma publicação refere ainda que a funcionária terá ficado em isolamento e que as autoridades admitem mesmo a possibilidade do pacote suspeito conter alguma substância química considerada perigosa..

Publicidade

Publicidade

O alerta terá sido dado aproximadamente pelas 18h51, e foi imediatamente accionado o INEM, que prontamente enviou uma equipa para prestar auxílio à funcionária em questão. Além do INEM, foram accionados os Bombeiros Sapadores de Lisboa, a Protecção civil e a Polícia de Segurança Pública (PSP), que foi quem comandou toda a operação de segurança no local.

Ao final da tarde, a Praça do Município foi vedada e foi montado um perímetro de segurança, que foi desmontado ao início da noite. A Unidade Especial de Polícia (UEP) foi igualmente chamada e também esteve no terreno a cooperar com as restantes equipas.

Agora a questão em aberto é saber qual terá sido a substância que provocou uma reacção tão rápida na funcionária após ela ter aberto o dito envelope..

Publicidade

A ocorrência que teve lugar na CML foi já classificada pela página dos Sapadores de Lisboa na categoria de “Acidentes Matérias Perigosas – Químicos".

Os atentados terroristas podem ter muitas formas e os terroristas recorrem a diversos meios para atingirem os seus fins, e o recurso às armas químicas é uma das possíveis. Mas só depois de terminadas todas as investigações é que as autoridades poderão ter respostas para o que realmente terá acontecido, e assim concluírem se este episódio poderá ter sido mesmo um acto terrorista ou não. #Terrorismo #Polícia