O trabalho que foi integrado no projeto de iluminação do cais do Funchal, de nome ''Catedral de Luz'', da autoria do arquiteto Paulo David e João Almeida, foi nomeado para a lista dos prémios FAD 2015, a concorrer na categoria de ''Cidade e Paisagem''. Nestes mesmos prémios têm sido distinguidos, todos os anos, as melhores obras de arquitetura de Barcelona, da Catalunha e da Península Ibérica. A obra, que foi apoiada pela antiga Secretaria Regional da Cultura, Turismo e Transportes, esteve integrada nas iluminações natalícia e de fim do ano de 2014/2015.

De entre as 458 obras apresentadas à FAD, 383 foram imediatamente selecionadas para uma primeira avaliação por parte dos jurados e dentro destas apenas 34 faziam parte da categoria em que a iluminação funchalense se encontrava, com os arcos brancos montados no Cais do Funchal. Acontece que destes 34 projetos propostos, apenas 5 passaram a uma espécie de final, sendo posteriormente escolhidas apenas 2 obras para o juízo final. Foi então neste último passo que a obra da ilha acabou por perder, ficando pelo top5 da tabela.

A iluminação, que este ano não agradou de todo aos madeirenses, foi assim nomeada para um prémio conceituado. De acordo com os populares, que alegaram estar bastante tristes na época por se ter perdido a tradição alegre e colorida das então fantásticas e épicas iluminações de Natal do Funchal, este projecto foi visto como algo demasiado na corda bamba do que costumavam observar nesta época festiva.

A ideia inicial do arquiteto era colocar uma iluminação mais simples com luzes LED e baseada nos brancos, contornando as fachadas principais da cidade com correntes de luzes brancas para os barcos que chegavam à baía, sendo que pretendia refletir um pouco o que se passava nas grandes capitais, como Berlim. Na época a câmara chegou mesmo a acrescentar certas iluminações devido à grande desilusão dos madeirenses que se manifestavam de várias maneiras.

Os prémios, que foram criados em 1958, têm como objetivo reconhecer os melhores projetos de arquitetura contemporânea, sendo dos mais importantes da Europa. #Inovação #AnoNovo2016