O cadáver do ex-deputado eleito pelo CDS/PP, Carlos Morgado, desaparecido desde Fevereiro do corrente ano, foi desenterrado num terreno baldio na zona de D. João, freguesia do Imaculado Coração de Maria, no Funchal. O corpo foi encontrado na sequência de investigações por parte da Polícia Judiciária, numa vala com cerca de um metro, tendo à volta cimento, sendo visíveis vestígios de sacos, mau cheiro e roupa em decomposição.

O corpo da vítima foi encontrado esquartejado, segundo consta, com recurso a utensílios de cozinha, de modo a facilitar o transporte. A acção judicial resultou na detenção de um casal, com idades de 25 e 36 anos, suspeitos do homicídio e terão sido os mesmos a indicar o local do corpo. O casal é suspeito da prática dos crimes de homicídio qualificado, roubo e profanação de cadáver. O casal terá traçado um plano com o intuito de atraírem a vítima para roubo e posterior homicídio.

Os moradores do local onde foi encontrado o corpo dizem não se ter apercebido de movimentos suspeito ou fora do normal, estando chocados com tão macabra descoberta. O corpo da vítima foi transportado em dois sacos.

Os homicidas confessaram o homicídio, que ocorreu numa pensão no Funchal. Um encontro marcado com cariz sexual terminou com o violento crime, sendo que a vítima foi amarrada, espancada, asfixiada e depois esquartejada.

De acordo com o Diário de Notícias, a tentativa de levantamento de dinheiro com os cartões do ex-deputado terá denunciado os autores do #Crime. O casal tem uma bebé de três semanas, sendo que, na altura do crime, a mulher de 25 anos estaria grávida.

A vítima, além do cargo de deputado pelo CDS/PP, foi também professor de História, tendo leccionado na Escola Básica e Secundária Padre Manuel Álvares na Ribeira Brava, sendo considerado uma pessoa simpática, sociável e muito conhecedor da vida. Todos os que o conheceram estão chocados com tão trágico crime. A Ribeira Brava era também o local de residência actual do ex deputado.

Por resolver encontram-se ainda outros seis desaparecimentos na Região, segundo a informou a Polícia Judiciária. #Violência