Na Madeira, mais concretamente na localidade de Lombo de São João, na Ponta do Sol, uma mãe de 55 anos suicidou-se depois de ter matado o seu próprio filho, de acordo com o site TVI 24. As autoridades foram alertadas às 02:30 por outra filha, depois de esta ter encontrado a mãe e o irmão mortos. A progenitora ter-se-à suicidado depois de ter envenenado a criança de 11 anos com pesticida.

A comunicação social sabe que existe uma carta endereçada à família. No local do incidente, a recolher vestígios, encontra-se a Polícia Judiciária. Foram igualmente chamados ao local a Polícia de Segurança Pública e o delegado de saúde. 

Mães que mataram os seus filhos

Em dezembro de 2012, ciúmes da sogra e dos filhos levam mãe a matar os seus filhos, de três e um ano de idade, na localidade de Preces, Alenquer, segundo o site Jornal de Notícias.  

A brasileira, Keli Alexandre Pinto Oliveira, de 30 anos, vivia com o companheiro de 40 anos, mecânico de profissão, e com os dois filhos. O único sustento da família provinha de Cláudio que trabalhava numa oficina de automóveis que pertencia à família. Apesar de ninguém presenciar brigas entre o casal sabia-se que o ambiente entre ambos não era o melhor. 

No dia do #Crime Cláudio saiu de casa, por volta das 20 horas, e deixou Keli com os dois filhos - Henrique e Rafael. Por volta das 21 horas, Nazaré, a avó paterna, recebe um telefonema da nora a dizer que tinha morto os filhos. Sem acreditar em Keli, Nazaré foi até casa do filho, bateu à porta e como não obteve resposta chamou a GNR e os bombeiros, que se depararam com a casa em chamas, com fumo e com as crianças sem vida. 

Por essa altura Keli procurava o companheiro, que encontrou posteriormente na rua onde lhe disse de rompante o que tinha feito. Este, sem reação, seguiu em direção a casa onde se deparou com o cenário. Na porta da casa, as autoridades encontraram um bilhete deixado por Keli onde se podia ler: "Agora já podes ficar com os teus filhos". 

Outro caso ocorreu em maio de 2011. Paula Fernandes, de 45 anos, professora de profissão, matou o filho recém-nascido na casa de banho da escola primária de Ponte de Vagos onde lecionava. A professora é mãe de duas crianças menores de idade.