Um jovem de 24 anos, com antecedentes criminais, é o principal suspeito do violento #Incêndio que eclodiu na tarde desta segunda-feira, 8 de Agosto, próximo da cidade do Funchal, na Ilha da Madeira. O jovem foi detido na noite do mesmo dia pelos inspectores do Departamento de Investigação Criminal do Funchal da Polícia Judiciária. O fogo, que ao final da tarde desta terça-feira continuava activo, já tinha destruído 30 habitações, duas unidades industriais, e obrigado à evacuação de dois hospitais e um lar de terceira idade.

O anúncio da detenção do alegado incendiário foi feito pela Polícia Judiciária, através de um comunicado, dando conta que o arguido “provocou intencionalmente um incêndio em zona florestal” que devido ao “vento forte e altas temperaturas” rapidamente alastrou por “grandes áreas atingindo mesmo o perímetro urbano”. Uma detenção que já levou o presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, a afirmar que deveria existir “uma maior vigilância” sobre as pessoas com aquele “tipo de doença”.

Miguel Albuquerque reuniu os jornalistas na tarde desta terça-feira para fazer um balanço provisório do incêndio que deflagrou cerca de 24 horas antes. Segundo o presidente do Governo Regional estavam contabilizadas 27 moradias ardidas, 11 das quais na freguesia de São Roque e 13 no Monte. Foram também destruídas duas unidades industriais do sector da carpintaria. Por outro lado, o governante avançou que foram retirados 234 doentes do Hospital dos Marmeleiros, na freguesia do Monte, bem como cerca de 60 utentes do Lar de Santa Isabel, pertencente à Santa Casa da Misericórdia do Funchal.

Apesar de Miguel Albuquerque ter afirmado na conferência de imprensa que a situação estava “perfeitamente controlada” e “relativamente consolidada”, os incêndios no Funchal ficaram descontrolados por cerca das 18 horas desta terça-feira. Muito devido ao aumento da intensidade e alteração da direcção do vento. Uma situação que estava a obrigar à retirada de moradores das suas casas em algumas zonas da região alta do concelho do Funchal. Também o Hospital João de Almada teve de ser evacuado com alguma rapidez, assim como uma unidade hoteleira.

Segundo o chefe do governo madeirense, há o registo de um idoso que sofreu queimaduras graves ao recusar abandonar a sua habitação, tendo sido transferido para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, num avião da Força Aérea. Também dois #Bombeiros da corporação de Câmara de Lobos, ficaram feridos depois de o autotanque onde seguiam ter capotado.