O Carnaval é uma quadra festiva, com larga tradição no Ocidente, que representa um período de diversão, excesso e folia antes do período de jejum, abstinência e austeridade da Quaresma, no calendário católico. A quadra é também conhecida como "Entrudo", de "entrada" (na Quaresma). Acredita-se que a Igreja Católica adaptou festividades ainda mais antigas, sendo que o formato moderno do Carnaval, com disfarces, festa e corsos, amadureceu ao longo do final do século XIX. Consideram-se como Entrudo os três últimos dias antes da Quarta-feira de Cinzas, pelo que a data varia todos os anos em função da data do domingo de Páscoa.

Tendo começado em Paris, o Carnaval moderno espalhou-se principalmente pelos países do Ocidente (Europa e América), sendo as festas de Veneza, Nova Orleães e do Rio de Janeiro mundialmente conhecidas. Em Portugal, o Carnaval é celebrado de forma espontânea um pouco por todo o país, de acordo com as tradições de diferentes regiões, cidades ou aldeias. As manifestações mais frequentes são o corso ou desfile de carros alegóricos, geralmente com motivos de "escárnio e maldizer" ou sátira política ou social. À noite, os bailes enchem os salões e pavilhões desportivos de mascarados que dançam e cantam até de madrugada. Menos frequente mas igualmente espontâneo é o ajuntamento de indivíduos em grupos para pregar partidas, com maior ou menor incómodo para os seus alvos, consoante a tradição local ou o temperamento do festeiro.

Em algumas regiões do país, subsistem tradições com características ancestrais, como é o caso de Trás-os-Montes, onde os caretos de Podence ou Lazarim conservam as características mistas de festa pré-Quaresma e ritual iniciático para os rapazes. Em regiões do litoral, as festas de Carnaval, sendo tradicionais, já vão buscar as suas raízes mais próximo dos tempos modernos, ao início do século XX. Estarreja, Ovar, Loulé, Torres Vedras e Sesimbra encontram-se entre os mais conhecidos e capazes de reunir o maior número de visitantes. Em Torres Vedras, o Carnaval assume contornos de verdadeiro símbolo de identidade local, ao ponto de o município local ter, durante o mandado do governo de Pedro Passos Coelho, afrontando a recomendação para suspender o feriado do Entrudo e continuado a fechar os seus serviços da Terça-Feira Gorda, em nome da tradição e do peso dos festejos. Em 2015, a Comunidade Intermunicipal do Oeste acompanhou Torres Vedras na tolerância de ponto.