Nascido numa família de baixos recursos económicos, a 5 de Fevereiro de 1985, ninguém imaginaria que Cristiano Ronaldo dos Santos Aveiro, o mais novo de quatro irmãos, poderia fintar o destino e vir a tornar-se numa das maiores estrelas do desporto mundial. Contrariar todas as probabilidades foi apenas o primeiro golpe de génio de um atleta que viria a ganhar três Bolas de Ouro (em 2008, 2013 e 2014) e a somar recordes, títulos e milhões de euros na conta bancária.

Longe vão os dias da infância, marcados por dificuldades económicas e pela luta constante dos pais, José e Dolores, em sustentar quatro filhos. O pai, falecido em 2005, era roupeiro num pequeno local madeirense, o Futebol Clube Andorinha. E foi lá que Cristiano começou a sua fulgurante carreira. A paixão pelo futebol terá nascido quando era ainda muito pequeno e dizem que já nessa altura a bola era o seu brinquedo favorito e que passava longas horas a jogar futebol. Mas foi o seu talento que o levou a dar o primeiro salto na carreira, deixando o pequeno clube da vizinhança para ir para o Nacional da Madeira, onde esteve entre 1995 e 1997.

A sua vida começou a mudar quando tinha apenas 11 anos, altura em que foi contratado pelo Sporting. Os primeiros tempos em Lisboa não foram fáceis: sentia saudades da família, era gozado por causa do seu sotaque madeirense e chegou a pensar em voltar para casa. Mas foi nessa altura que a força de vontade e a ambição que o caracterizam se fizeram notar. Engoliu as lágrimas e dedicou-se totalmente ao trabalho e a tentar ser o melhor, traçando, já nessa altura, algumas das metas que mais tarde viria a alcançar. Na temporada 2002/2003 estreou-se no plantel principal da equipa leonina e começou a causar sensação.

O próximo passo seria gigantesco. Com apenas 18 anos, e a troco de 15 milhões de euros, mudou-se para o gigante Manchester United. Fez história na Liga Inglesa e ganhou a sua primeira Bola de Ouro (2008). Antes já tinha vivido as emoções do Euro 2004 e assumido um papel relevante na selecção de Portugal, na qual viria a ter um papel determinante, por exemplo, no apuramento para o Mundial 2014.

O ano de 2009 trouxe mais uma mudança de clube e mais um recorde. Deixou o Manchester United e foi para o Real Madrid, numa transferência de valores inéditos: 94 milhões de euros.

Apesar de muitos rumores, tem permanecido em Madrid, continuando a somar títulos e recordes. Mais do que isso: transformou-se numa referência para o clube e para o desporto em geral, mas também numa marca de sucesso. Ao seu salário milionário soma milhões em contratos publicitários e tem já uma linha de sapatos, uma de lingerie e vários investimentos nos sectores imobiliário e de hotelaria. CR7 é símbolo de sucesso, mas também de determinação, de dedicação e, sobretudo, de uma vontade de chegar cada vez mais longe.