Diz um velho ditado que o saber não ocupa lugar. E é verdade que também há outro que nos avisa que a curiosidade matou o gato. Felizmente, e para desempatar, existe um terceiro que nos ensina que saber é poder. Tudo muito certo. Mas onde queremos chegar com tudo isto? Apenas à noção de que todos nós gostamos de ficar a saber de uma ou outra curiosidade de vez em quando. A propósito: algum de vocês já se questionou sobre onde é que vivem as pessoas mais altas do mundo? Curiosos? É só seguir o link.

Há quem lhes chame 'soft news', notícias de 'entretenimento', ou apenas 'coisas interessantes'. Muitos questionam a sua legitimidade nas páginas de um jornal. Mas não nos esqueçamos do seguinte (e aqui vai outra curiosidade): uma das definições mais icónicas da palavra "notícia", dada pelo americano Arthur MacEwen, diz-nos que ela é "tudo aquilo que fizer um leitor dizer 'ena pá!'". É então que percebemos o quão bem-vindas as curiosidades são ao jornalismo. E, na maioria das vezes, úteis também. Quanto mais não seja, para tema de conversa!

Mas a quem se destinam, por norma, as curiosidades? Ora aí está uma das magias deste tipo de notícias: da política ao desporto, passando pela ciência e pelas artes, sem esquecer a saúde ou a economia, praticamente todos os assuntos trazem consigo a oportunidade para aprendermos algo e acrescentarmos, assim, um nadinha mais de sapiência (ou de cor!) ao nosso dia-a-dia. Afinal já dizia Saramago que nunca terá sido perdido o dia em que fomos contemplados com um bom conselho. E é para isso que as curiosidades cá estão!

Está bem. Elas podem até nem ser tão urgentes como os mais recentes desenvolvimentos económicos, políticos ou mundiais. Por isso mesmo, dificilmente ocuparão as primeiras páginas ou o topo das webpages mediáticas. Mas uma coisa ninguém lhes pode negar, as curiosidades são os únicos tipos de notícias que nos ajudam a compreender os novos aspectos mente humana, o porquê das tradições que temos, os segredos por detrás do nosso planeta e, como se isto não bastasse, algumas das invenções mais loucas dos últimos tempos. Mas afinal alguém disse que as notícias tinham que ser sempre sérias e chatas?