O Futebol Clube do Porto é um clube desportivo, cuja sede se encontra no estádio do Dragão, no Porto. Este animal mitológico já era o símbolo dos azuis-e-brancos, como também são conhecidos os atletas e adeptos portistas, uma vez que está presente no seu emblema. Foi com a inauguração do novo estádio, para o Euro2004, que o FCP abandonou a antiga designação "Antas" para fazer coincidir o nome do estádio com o seu símbolo.

O clube assume-se como o mais antigo dos chamados "Três Grandes", juntamente com o Sporting Clube de Portugal e o Sport Lisboa e Benfica. Data de 1893 a primeira referência a um "Foot-ball Club do Porto", embora os rivais critiquem esta posição, uma vez que só há registos de actividade continuada do clube desde 1906. O clube assumiu-se desde sempre, pela sua antiguidade, pela sua dimensão e pelo seu próprio nome, como o primeiro representante desportivo da cidade, pese a intensa vida desportiva do Porto e o surgimento de outros clubes importantes, como o Boavista FC, o SC Salgueiros e o Leixões SC (baseado no concelho limítrofe de Matosinhos.)

Durante grande parte do século XX, o FC Porto não conseguiu ombrear com os rivais de Lisboa no que toca ao sucesso desportivo, nomeadamente no futebol, desde cedo a modalidade desportiva mais popular. Assumindo uma identidade regional, a distribuição geográfica dos seus adeptos se concentrasse sobretudo na região Norte do país, com particular incidência no Douro Litoral, Minho e Beira Litoral. O facto de ser representante da segunda cidade do país, aliado ao sucesso desportivo de Sporting e Benfica (clubes da capital) ao longo da primeira metade de século XX e até à década de 80, ajudou a manter residual a existência de adeptos do clube a sul do rio Vouga, enquanto leões e, principalmente, as águias se tornavam maioritários.

No final do século XX, o presidente Jorge Nuno Pinto da Costa torna-se uma figura de referência. Sob a sua liderança, o clube fez esquecer o mito de que bastava atravessar o Douro para sul para já se encontrar a perder por 1-0. Nos 31 campeonatos disputados entre 1985 e 2015, o FC Porto venceu 20. Além disso, conquistou por duas vezes a Taça dos Campeões Europeus, em 1987 e em 2004 (agora já sob a designação Liga dos Campeões), bem como a Taça UEFA, em 2003 e em 2011 (esta última já sob a designação Liga Europa), e disputa a primazia de títulos com o Benfica. O FCP alargou também a sua cultura de sucesso a outras modalidades, como o andebol ou o hóquei em patins, onde os dragões conquistaram o campeonato nacional por 10 vezes consecutivas, entre 2001 e 2011.

Ao longo das décadas, o FC Porto reforçou o seu carácter identitário, enquanto representante de uma cidade e de uma região - o Norte - e tornou-se uma fonte de orgulho regional, principalmente pelos seus sucessos internacionais - e ao ponto de começar a conquistar adeptos fora da sua área de base. E apesar de o clube nunca se ter envolvido de forma directa na política ou na relação com os partidos da Terceira República, o "dragão" representa um certo orgulho regionalista, que muitos tomam como bacoco, mas que os próprios afirmam com orgulho. Como descreveu Miguel Esteves Cardoso, o Norte não quer separar-se de Portugal; quer distinguir-se "do resto" de Portugal, porque se sente "mais Portugal" que o Sul.