De uma forma geral, o mundo acredita que não há alternativa à democracia como sistema político e governamental. Todavia, a história e a experiência mostram que esse nem sempre é o caso, e em muitas situações, a dita democracia pode mesmo levar à ruína de um governo.

Para aqueles que já nasceram sob os princípios da democracia, esta forma de governo é a coisa mais natural do mundo. Desde muito jovens que aprendemos na escola que qualquer pessoa pode votar e ser votada, que vários partidos políticos são algo de bom, porque podem oferecer caminhos diferentes e podemos eleger aqueles cujo caminho é o que se adequa melhor às nossas ideias.

Mas é este sistema governamental verdadeiramente adequado para todos? O que pode contradizer uma solução tão perfeita? O primeiro passo para implementar um regime democrático é ter pessoas, cidadãos que acreditam na democracia e a aceitam. É preferível ter um sistema educativo que ensina os fundamentos da democracia e dos direitos humanos, como a aceitação dos direitos doutrem, o direito à diferença e o direito à crítica, entre outros.

O problema começa quando todos estes princípios e valores não existem no país ou se, por um lado, o país tem uma longa história do regime militar ou ditatorial. Basta pegar num país do Médio Oriente ou do Norte de África, onde a maioria dos países está dividida internamente por etnia, religião ou ambos. Cada segmento quer tudo para si mesmo e está pronto para massacrar os outros na primeira oportunidade.

Apesar daquilo que os ocidentais possam pensar, estas não são disputas mesquinhas. Estas são questões cruciais para os envolvidos e são tão antigas como a sua cultura. Eles lutam há séculos e estão prontos para continuar a lutar para sempre, se necessário for. Tal poderá parecer irracional para nós, que nos consideramos pessoas esclarecidas e democráticas. Mas, neste tipo de cultura, a única coisa que pode trazer paz e estabilidade é a existência de um líder carismático, um "homem forte" que governa tudo e todos com rédea curta.

O único problema é que, como não há democracia, o líder (ditador) pode governar uma vida inteira e, como todos sabemos, o poder corrompe e o poder absoluto corrompe absolutamente. Além disso, as técnicas utilizadas por tais ditadores para manter a paz são frequentemente brutais, chegando ao extremo do total desrespeito pelos direitos humanos fundamentais e, na maioria das vezes, os fins justificam os meios.