O hóquei em patins é um desporto colectivo, jogado num ringue fechado, com duas equipas de 5 elementos cada. Os jogadores, equipados com patins, um "stick" e material de protecção, têm como objectivo introduzir a bola na baliza do adversário, vencendo a equipa que concretizar mais golos, tal como no futebol e na maioria dos desportos colectivos. Surgido na Inglaterra no final do século XIX, o hóquei concentrou-se maioritariamente em países ditos "latinos", nomeadamente na Europa do Sul (Portugal, Espanha, Itália, França e Suíça) e na América do Sul (principalmente na Argentina, Chile e Brasil). Durante décadas, foi claramente o segundo desporto com mais adeptos em Portugal, só atrás do futebol. António Livramento, por muitos considerado o melhor hoquista de todos os tempos, foi um ídolo do desporto nacional, comparável a Joaquim Agostinho no ciclismo.

A Espanha contou com os cinco campeonatos do mundo conquistados entre 2005 e 2013 para ultrapassar Portugal no ranking de títulos conquistados. Todavia, Portugal continua a liderar a tabela de vencedores de Campeonatos da Europa, com 20 vitórias. Os países ibéricos são as grandes potências mundiais deste desporto, monopolizando com frequências as finais dos campeonatos internacionais. O diferencial de competitividade entre as selecções profissionais e as amadoras é de tal ordem que a Federação internacional do desporto (FIRS) instituiu um Mundial "B", em 1984, cujos vencedores são promovidos ao Mundial principal.

Em Portugal, o campeonato nacional de hóquei em patins começou logo em 1938, pouco depois do futebol e provando a sua popularidade precoce. Depois de muitos anos de domínio do SL Benfica, o FC Porto conseguiu uma série impressionante de 10 títulos consecutivos entre 2001 e 2011 que o aproximou dos encarnados. Em 2015, os benfiquistas têm 22 títulos contra 21 dos portistas. Já na Taça de Portugal de hóquei, o Benfica leva 15 vitórias contra 14 do FC Porto.

Tal como todas as modalidades ditas "amadoras", e em sentido claramente inverso ao do futebol, o hóquei sofreu nas últimas décadas uma perda de popularidade e mediatismo. Algumas críticas incidiram sobre o facto de não ser um desporto vocacionado para a televisão (pelo reduzido tamanho da bola), o que condiz com o facto de os tempos áureos do desporto correspondem às transmissões via rádio. Outras aspectos negativos levantados relacionavam-se com as regras, entretanto actualizadas de forma a aumentar o espectáculo, e com a alegada falta de profissionalismo dos organismo, quer a nível nacional quer internacional.

Contudo, os clubes de hóquei que conseguiram sobreviver e manter-se populares fizeram-no chamando público aos pavilhões e tornando o hóquei uma grande festa desportiva, além de terem remetidos situações de violência das claques para o passado. O SL Benfica e o FC Porto nunca deixaram de investir no hóquei e de encher pavilhões - apesar das críticas de Reinaldo Ventura, histórico dos "dragões", relativamente ao financiamento da modalidade pelo clube. Já o Sporting CP, depois de alguns anos de afastamento, voltou a apostar em força de modo a bater-se de igual para igual com os seus velhos rivais. Mas também clubes pequenos, como o HC Turquel, souberam manter a tradição e projectar, à sua escala, o hóquei em patins para o século XXI. Não é raro que os jogos em casa do HC Turquel (freguesia rural com 5000 habitantes) tenham mais assistência (entre os 1500 e os 2000 espectadores) que muitos jogos da Primeira Liga de futebol.