A Natureza é o nome que se dá ao conjunto do mundo físico, extraindo os objectos ou infra-estruturas construídos pelo Homem. De uma forma genérica, fala-se de natureza para se abordar conceitos mais específicos, como a fauna e a flora (de uma determinada região ou do planeta Terra), a geologia ou o clima. Ao longo das últimas décadas, as sociedades ocidentais (fortemente urbanizadas) desenvolveram um novo relacionamento com o conceito de natureza. O facto de as vidas de milhões de pessoas serem maioritariamente desenvolvidas em ambiente urbano tornou a sua relação com a natureza uma abstracção, mais do que uma realidade concreta - o que lhe acrescentou importância.

Vários factores colaterais têm contribuído para esta tendência: o aumento do sedentarismo (consequência da vida urbana) e dos problemas de saúde associados, bem como o surgimento de doenças próprias de estilos de vida afastados do meio ambiente natural (alergias, asma e outros problemas respiratórios, etc.). Decisivo tem sido também o despertar de uma consciência ambientalista, que ajudou também a ver o planeta como um ecossistema frágil e passível de ser destruído, e não apenas um conjunto de recursos à espera de serem extraídos e processados.

Em consequência, surgiram vários estilos de vida que procuraram aproximar as pessoas do mundo natural. Fosse no turismo (praia, campo, montanha, ou simplesmente "natureza), no desporto (actividades praticadas em meio natural, como o BTT ou o montanhismo), o próprio escutismo (criado no início do século XX e promovendo esta relação) ou até em termos sociais e políticos, com o surgimento dos movimentos e partidos ambientalistas e ecologistas.

Esta consciência espalhou-se progressivamente pelos grandes centros urbanos por todo o mundo; por outro lado, os habitantes de meios rurais foram menos permeáveis a esta ideia, dado que continuam, em grande parte, a viver rodeados pela natureza.

Este facto é mais notado em países menos desenvolvidos, onde a relação do Homem com o mundo natural continua a ser, como desde o princípio dos tempos, de luta, competição e sobrevivência. Em todo o caso, mesmo nessas latitudes cresce a consciência de que, por mais dura que seja a luta pela sobrevivência, o Homem como um todo tem recursos demasiado fortes e pode vir a destruir o seu meio ambiente. Por esse motivo, grupos de habitantes mobilizam-se de forma crescente contra empresas (grandes e pequenos) dos sectores da silvicultura, da pecuária e outros, cuja actuação não tem em conta critérios de sustentabilidade.