A área de "negócios" é uma das mais seguidas e observadas em qualquer jornal ou plataforma de imprensa. Não apenas pelos grandes empresários, CEO e outros profissionais com altos cargos directivos e de responsabilidade, mas também por pequenos empresários, profissionais individuais, pessoas que sonham vir a ter um negócio ou simplesmente quem procura um emprego e pretende estar atento e conhecer as tendências actuais e futuras do mercado. A expressão "mercados" está muito associada, nos últimos anos, aos "mercados financeiros", em função da turbulência que se tem vivido na zona Euro, mas o tema de negócios é extraordinariamente abrangente. O empreendedorismo, a inovação, os casos de sucesso, novidades macro-económicas e também da micro-economia, ou até casos de fracasso ajudam o leitor a manter-se a par do feeling económico que o envolve.

"Negócios" pode tratar dos problemas em torno de grandes empresas, como é o caso da privatização da TAP, ou dos casos de sucesso de empresárias como Cristina Ferreira, habitualmente mais reconhecida enquanto apresentadora e directora numa estação de televisão. Antecipa a abertura de mais uma grande loja Ikea em Portugal, com consequências para os consumidores, os concorrentes e os futuros trabalhadores da loja que ainda não sabem que o serão.

Pode igualmente apontar as melhores ideias em termos de empreendedorismo. Nos últimos anos, diversos quadrantes políticos e culturais vêm tentando implantar uma cultura de estímulo e reconhecimento social aos empresários, ao cidadão que arrisca de algum modo a sua estabilidade para transformar uma ideia em negócio. Por um lado, a cultura de negócios portuguesa não é inteiramente estranha a este conceito, uma vez que a taxa de auto-emprego é considerável, por outro lado a própria cultura empresarial é relativamente avessa à inovação, tendendo à protecção de interesses estabelecidos ou de indústria potencialmente obsoletas, por via legislativa - um traço cultural europeu, e não especificamente português, como se viu com a proibição da actividade da Uber em França. Em todo o caso, o interesse por esta temática tornou-se claro com as audiências e o interesse gerado pelo programa de TV Shark Tank, onde vários empresários de sucesso assumem o papel de investidores em novos candidatos a empresários, que apresentam as suas ideias em formato "pitch elevator." A aposta da SIC na reprodução do formato em Portugal, com investidores e candidatos portugueses, foi a consequência lógica deste interesse.