Aperitivo nutritivo e pouco calórico. Contêm pouca gordura e são ricos em proteínas e fibra. Mas o seu teor de sal é também elevado. O tremoço seco é rico em alcaloides naturais, substâncias tóxicas que lhe conferem um sabor amargo. Daí que só se possa ser consumido depois de cozido e passado várias vezes por várias águas. A cozedura inativa enzimas e elimina o poder germinativo.

A lixiviação, que consiste em passar o tremoço por várias águas, retira-lhe o sabor amargo e os alcaloides. Este tratamento é feito industrialmente, pelo que o tremoço é vendido já cozido e conservado em salmoura.

Existem diferentes calibres, mas os mais frequentes são 11/12 mm e 13/15mm.

Publicidade
Publicidade

O calibre refere-se ao diâmetro de tremoço seco, antes de ser cozido. Deve também ser consumido em 5 dias e conservar no frigorífico. Ao comprar, opte por embalagens guardadas em local fresco e ao abrigo da luz solar. Se optar pelas embalagens em vácuo, certifique-se de que estão intactas. Depois de furadas, o ar entra e a conservação fica comprometida.

Antes de consumir, passe os tremoços por água para reduzir o teor em sal. Para quem gosta de comer a casca ou não quer dar-se ao trabalho de a retirar, o valor nutricional é semelhante, mas com mais valia de ter um pouco mais de fibra. O único senão é que em cada 100 gramas de tremoços contêm 3,9 g de sal. Assim, basta uma pequena dose sem casca (30g) para ingerir um quinto da dose máxima diária recomendada de sal (5g). Para reduzir este ingrediente, passe os tremoços por água corrente ou demolhe-os durante alguns segundos.

Publicidade

Quando comparado com outros aperitivos e petiscos salgados, como a azeitona, a batata frita lisa, o amendoim, o pistácio e até mesmo o caracol, o tremoço é menos calórico. Tal deve-se ao facto de fornecer muito menos gordura, o que faz dele um cúmplice certo para o Verão. Da família do grão e do feijão, o tremoço existe há vários séculos na Europa. Foi muito popular entre os Romanos e pensa-se que terá sido difundido durante a expansão do seu império. Hoje é considerado um petisco em países mediterrânicos como Portugal, Espanha e Itália.