Hoje, para quem assistiu aos telejornais, leu os jornais ou entrou na internet, com certeza não foi de todo um bom dia, porque há 69 anos atrás a estupidez humana cravou suas enormes garras em todos os corações do mundo. Os Estados Unidos da América alegaram que uma invasão ao território Japonês, como já estava planejada, ocasionaria muitas baixas para ambos os lados, principalmente com base no que havia ocorrido na Batalha de Okinawa. Após a morte de Franklin Delano Roosevelt, Harry Truman o substituiu e em poucos meses de mandato, redigiu juntamente com outros líderes aliados, a declaração de Potsdam, onde constavam os termos ditados por eles, para a rendição do Japão.

Publicidade
Publicidade

Em 26 de Julho de 1945 esta declaração foi radiodifundida pelas cidades do Japão e também lançada de aviões, escrita em papel, sobre todo o País. No dia seguinte, jornais japoneses anunciavam que o Japão não se renderia, o que levou os Estados Unidos a sua medida "terminal", a decisão fatídica de lançar bombas atômicas em 2 cidades importantes do Japão, Hiroshima e Nagasaki, por sua capacidade industrial. A bomba ainda não havia sido lançada sobre cidade alguma, somente havia sido testada no deserto e quando a primeira delas, a "Little Boy", caiu sobre Hiroshima em 06 de agosto de 1945, deixou em choque até aqueles que a haviam lançado, pois o projeto era tão secreto, que nem eles sabiam o que carregavam. Apenas 3 dias após, em 9 de agosto de 1945, lançaram a 2a. bomba, a "Fat Man", sobre Nagasaki e calcula-se que cerca de 140 mil pessoas morreram em Hiroshima e 80 mil em Nagasaki, contando as mortes subsequentes ocasionadas pela radiação, e os mortos, em sua grande maioria, eram civis.

Publicidade

Os militares japoneses não acreditaram no pronunciamento do Presidente Truman pelo rádio no dia 07 de agosto de 1945, onde ele dizia que se o Japão não se rendesse mais bombas atômicas seriam lançadas sobre ele.

Quando adolescente realmente tomei consciência sobre a grandeza da tragédia ocorrida em Hiroshima e Nagasaki, já havia estudado sobre a 2.ª Guerra Mundial, sabia do horror, mas foi uma música, escrita pelo grande compositor Vinícius de Moraes em parceria com Gerson Conrad e cantada na maravilhosa voz de Ney Matogrosso, na época vocalista do grupo Secos & Molhados, que me fez sentir no fundo d'alma a dor que aquele povo sofreu. Abaixo a letra desta obra tão linda, que toca ao coração:

"Pensem nas crianças mudas, telepáticas

Pensem nas meninas cegas, inexatas

Pensem nas mulheres, rotas alteradas

Pensem nas feridas, como rosas cálidas

Mas só não se esqueçam da rosa, da rosa

Da rosa de Hiroshima, a rosa hereditária

A rosa radioativa, estúpida, inválida

A rosa com cirrose, a anti rosa atômica

Sem cor, sem perfume, sem rosa, sem nada..."

Não há, em minha opinião, algo que traduza melhor o que aconteceu em Hiroshima.

Publicidade

Toda a dor que a arrogância de alguns pôde impingir a tantos inocentes. Ficam aqui meus sinceros sentimentos a todos que tiveram suas vidas transformadas por esta tragédia e um apelo para que não deixemos que isto aconteça novamente com nenhum povo do mundo, pois esta com certeza não é rosa que se dê a alguém.