O partido de José Manuel Coelho, deputado madeirense famoso enquanto “Jardim da oposição”, levou a cabo mais uma acção na fronteira entre o escândalo e o bom humor. O partido encenou uma conferência de imprensa adoptando a estética dos vídeos do movimento terrorista ETA, que luta(va) pela independência do País Basco, com três responsáveis surgindo de cara tapada e com a tradicional boina basca, tendo a bandeira da Região Autónoma madeirense para compôr o cenário.

Se o ambiente é absurdo, o tema da intervenção é bastante sério. Oito membros do partido foram condenados a uma multa total de 11000 euros (ou 26 dias de prisão) pelo crime de introdução em local vedado. O caso sucedeu em 2011, quando os réus entraram no Jornal da Madeira, durante a campanha eleitoral, para protestar contra a utilização, pelo PSD Madeira/Governo Regional, desse jornal enquanto instrumento de propaganda política. A resposta a esta condenação vem desta forma, com o PND a alegar tratar-se de perseguição política disfarçada de sentença judicial.

De acordo com o “Público”, a juíza do processo indicou que não se provou que o Jornal da Madeira não seja isento ou discrimine os partidos da oposição. Não estando em causa o direito de o Jornal da Madeira poder proibir a entrada a pessoas não autorizadas, este detalhe da sentença não é tranquilizador. Sabendo que o jornal recebeu cerca de 50 Milhões de euros do Governo Regional durante 10 anos, e que a Associação Mundial de Jornais (World Association of Newspapers), uma organização não governamental e não lucrativa de jornais e veículos de imprensa escrita de todo o mundo, escreveu ao dr. Cavaco Silva alertando para a desigualdade causada por esta situação, podemos esperar que a “oligarquia jardinista”, como lhe chama o pequeno partido da oposição, continue a manter os seus hábitos. E esta situação merece-nos, a nós que ainda nos preocupamos com a democracia e a defesa do direito de todos a terem a sua voz, um momento de solidariedade com as boinas bascas - mesmo que não tenhamos a certeza se o PND é uma alternativa de governo válida para o Governo Regional, ou que não tenhamos votado José Manuel Coelho para a presidência da República nas últimas eleições.

E aguardamos com impaciência a próxima iniciativa!