Leonor Coutinho tinha 5 anos e era uma princesa linda, maravilhosa e feliz. Vivia num mundo "côderosa", a sua cor preferida, e tinha um sorriso inesquecível e contagiante. Adorava princesas e foi ela mesma uma verdadeira princesa guerreira na luta contra uma doença de "nome feio". Inspirou mães, pais, famílias, um país, a Aceitar e Sorrir. Nonô tinha 5 anos, quando no passado dia 3 de setembro deixou a sua luta e encheu de tristeza todos quantos acompanhavam o seu dia a dia e as suas vitórias.


"Tu és uma menina com uma missão, tu és o rosto da realidade de muitas, tantas outras crianças que tal como tu se viram obrigadas a crescer depressa demais, à luz de uma história que ninguém gosta de contar." São estas as palavras que a mãe Vanessa Afonso usou para descrever a Leonor. A missão da Nonô era ensinar-nos que devemos abraçar a vida sempre a sorrir, mesmo quando obstáculos duros e cruéis insistem atravessar o nosso caminho, sem serem convidados, sem deles estarmos à espera. Foi com essa força e optimismo que Leonor reagiu durante os poucos mais de 12 meses passados após o diagnóstico da sua doença. Na sua inocência de menina, com tanto para viver e descobrir, ensinou-nos a todos como se pode crescer depressa e tratar por tu uma doença que a muitos deixaria sem forças. E sem nunca, nunca deixar de acreditar.


Leonor foi diagnosticada com um tumor bilateral de Wilms em junho de 2013. Desde logo começa uma dura batalha, que iria travar com o apoio de família, amigos, famosos e milhares de desconhecidos sensibilizados com a história desta menina princesa. Na rede social Facebook foi criada a página Os Aprendizes da Nonô, onde todos podiam deixar o seu apoio e acompanhar o percurso desta menina através das palavras emocionadas e inspiradoras da sua mãe. E também a Leonor lá deixou, por diversas vezes, palavras de agradecimento a todos os que formaram uma espontânea onda de solidariedade e não quiseram deixar de lutar de mão dada com ela. Pelo caminho foi editado o livro "Aceita e Sorri", lançado em maio, com toda a sua história. Em todos os momentos, nunca faltaram os sorrisos da Leonor a ensinar-nos, a fazer de todos nós seus aprendizes.


Leonor cumpriu ciclos de tratamentos de quimioterapia seguidos de radioterapia, em Portugal. Este verão foi submetida a uma cirurgia para remoção do tumor renal, onde lhe foi retirado um dos rins e mais tarde outra para remoção da metástase presente no pulmão. Para reforçar a terapia feita em Portugal, Leonor viajou em agosto até à Alemanha para avançar com um tratamento à base de células dendríticas e com ela viajou a esperança de todos.


Quarta-feira, 3 de Setembro de 2014: " Ensinou-nos a Aceitar e a Sorrir. Há alguns minutos atrás, a Nonô regressou aos braços de Jesus. Pode finalmente descansar e olhar por nós. Deixa-nos um legado enorme. De sorrisos, de perseverança." - foram estas as palavras, que ninguém queria ouvir, que foram publicadas na página Os Aprendizes da Nonô a anunciar que a luta da menina sonhadora, de mil sorrisos transbordantes de alegria, havia chegado ao fim. A família solicitou privacidade neste duro momento mas sem se esquecer de agradecer o carinho e apoio sentidos ao longo destes meses. Em sua homenagem muitas foram as pessoas que alteraram as suas fotos de perfil nas redes sociais para uma imagem cor-de-rosa, e não quiseram deixar de manifestar a sua dor e palavras de consolo à família em mensagens emocionadas.

O país vestiu-se de luto, mas não o luto tradicional negro, escuro e triste, desprovido de esperança.

Publicidade
Publicidade

O país vestiu-se de luto, mas de luto "côderosa", a cor dos sonhos e dos sorrisos da Nonô.