O presidente Susilo Yudhoyono está em visita oficial a Portugal, sendo recebido com as máximas honras pelo presidente da República, Cavaco Silva, tendo-se encontrado também com o primeiro-ministro Passos Coelho. A visita serve, em primeiro lugar, para os portugueses voltarem a ter contacto e a saber o nome do presidente daquele país, que desapareceu da agenda mediática nacional depois da presidente Megawati Sukarnoputri ter contribuído para a democratização do país e para a estabilização de Timor-Leste entre o referendo de 1999 e a declaração formal de independência em 2002. Em segundo lugar, é também uma forma de os portugueses voltarem a ver o dr. Cavaco Silva, que andou oculto do espaço público desde que declarou, 10 dias antes da extinção do BES e da sua reconversão em Novo Banco e em "banco mau", que não havia motivo para preocupações e que a instituição se mantinha sólida.

O presidente Yudhoyono retribui assim a visita do presidente Cavaco há 2 anos, e vem reforçar a nova fase nas relações entre os dois países, depois da relação de inimizade que se estabeleceu depois da ocupação militar de Timor em 1975. Geograficamente distantes, Portugal e Indonésia encontram agora um interesse comum no desenvolvimento e na estabilidade de Timor-Leste, ex-colónia e ex-província de um e outro. O estabelecimento da democracia naquele que é o maior país muçulmano do mundo tem sido um sucesso, que nem a ameaça do terrorismo islâmico nem a instabilidade da economia mundial têm abalado desde a partida de Suharto. Esta foi a primeira visita de um chefe de estado indonésio a Portugal desde 1960.

Além do alinhamento político e da comunhão de interesses sobre Timor-Leste (inclusive com a participação também da Austrália, potência regional, neste processo), os interesses económicos dos dois países são também totalmente convergentes. Portugal é membro da União Europeia e país lusófono, a 7ª língua mais falada no mundo, enquanto a Indonésia é membro do G20 e também surge em várias classificações internacionais de países com maior potencial de desenvolvimento, como o N11 ou o MIST (que integra México, Indonésia, Coreia do Sul e Turquia), categorias contudo "inferiores" em relação aos BRICS.
Ambos os presidentes sublinharam, no âmbito da visita, as excelentes relações actualmente existentes entre os dois países.