Cerca de 4000 bombeiros voluntários e 1000 bombeiros profissionais emigraram nos últimos 3 anos, colocando em risco a capacidade operacional das corporações. O alerta foi dado em declarações à imprensa pelos presidentes das associações de bombeiros, respectivamente Rui Moreira da Silva, pelos voluntários, e Fernando Curto, pelos profissionais. Em média, foram cerca de 4 a 5 bombeiros por dia que deixaram o país e as respectivas corporações. As motivações são semelhantes, em ambos os casos, e comuns às dos restantes emigrantes que deixaram Portugal também no tempo da Troika. Os bombeiros profissionais não conseguem um salário suficiente ou que lhes dê perspectivas de futuro, enquanto os bombeiros voluntários simplesmente procuraram uma carreira profissional noutro país.

Publicidade
Publicidade

O destino mais comum é a construção civil, especialmente para a Europa Ocidental (Bélgica, Luxemburgo e Suíça).

Em consequência, a falta de efectivos já se faz sentir e os presidentes das associações apelam a uma intervenção do Governo no sentido de facilitar a substituição urgente dos 5000 que partiram, uma vez que está em risco não só a segurança das populações, mas a dos próprios bombeiros, habitualmente forçados a esquecer as regras em prol da operacionalidade possível. Fernando Curto aponta ao governo que o fim da bonificação de 15% em contagem para o tempo da reforma foi um desincentivo claro, e que os municípios deverão ganhar mais autonomia no sentido de poderem contratar.

A emigração portuguesa ganhou um forte impulso nos anos da Troika, desde o anúncio da necessidade do resgate financeiro e da implementação do Memorando entre o Governo e o FMI, o BCE e a Comissão Europeia. O número de emigrantes permanentes havia sido de cerca de 8000 em 2007, escalando para os 20.000 em 2008, com o agravamento da condição macroeconómica, o crash do Lehman Brothers e a crise na construção civil e no imobiliário. Dos 23.000 em 2010, o número escalou de novo, agora para os 44.000 em 2011, os 52.000 em 2012 e os 53.000 em 2013. E apesar de o período da Troika ter terminado, prevê-se que em 2014 venha a ser batido novo recorde.