Domingo, dia 5 de outubro, o país foi às urnas para decidir o rumo das #Eleições. Paralelo a isso, cada Estado brasileiro também votou para escolher o candidato que vai representar o seu #Governo.

No Rio de Janeiro, as pesquisas indicavam uma disputa acirrada entre candidatos. No final, Luiz Fernando Pezão, do PMDB, e Marcelo Crivella, do PRB, vão brigar por um lugar ao sol no 2º turno dia 26 de outubro.

Porém, grande parte dos eleitores não se mostrou satisfeita com as opções de voto. Foi mais fácil encontrar quem anulou ou simplesmente optou por não votar. Das poucas mais de 12 milhões de pessoas em todo o Estado do Rio, 35% nem compareceram às seções eleitorais ou preferiram anular o voto, segundo dados oficiais do Tribunal Superior Eleitoral.

Publicidade
Publicidade

Sem novidades no leque de ofertas de candidatos, o carioca mostrou nas urnas a sua revolta eleitoral. Pela primeira vez, a soma dos votos nulos, brancos e abstenções ultrapassou em quase um milhão o primeiro colocado na corrida para o 2º turno. Foram quatro milhões de pessoas que resolveram não votar em ninguém contra 3.242.513 que votaram em Luiz Fernando Pezão.

Ao que parece, os dois candidatos restantes vão ter que se esforçar para conquistar o coração do eleitorado. Tarefa difícil, já que o perfil parece não agradar muito aos eleitores do Rio, que representam o terceiro maior eleitorado do país.

Em meados do ano passado a população carioca se juntou e foi às ruas para manifestar sua insatisfação com os atuais governantes. Cerca de 1 milhão de pessoas caminharam pelo centro da cidade com gritos de "o gigante acordou" ressoando pelas ruas.

Publicidade

Grupos ficaram acampados em frente à casa do ex-governador Sérgio Cabral cobrando melhorias para o Estado. E agora? Será que os próximos governantes vão dar conta do recado? Será que faltam figuras políticas novas para que um novo começo possa ser moldado?

Façam suas apostas, votem com consciência no 2º turno, pesquisem sobre as propostas dos candidatos que restaram. As urnas são a boca da população. Vamos (tentar) fazer do nosso país um lugar melhor.