Voar para Lisboa ou para fora de Lisboa é hoje uma tarefa difícil. A paralisação convocada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil poderá ter uma adesão de cerca de 90%, e logo de manhã bem cedo os seus efeitos já eram visíveis com vários cancelamentos de voos no aeroporto da Portela e no Aeroporto Dr. Francisco Sá Carneiro. A TAP foi obrigada a alterar mais de 20 mil reservas e reforçou as equipas de aeroportos e os serviços de reservas para dar o melhor apoio possível aos passageiros. Ainda assim, muitos voos foram cancelados e cerca de 4 mil passageiros arriscam-se a ficar em terra.

Depois de um verão "quente", marcado por sucessivos problemas técnicos, atrasos e cancelamentos, esta greve representa mais uma ameaça à confiança dos passageiros na companhia aérea nacional e relança o debate sobre a privatização da TAP.

Publicidade
Publicidade

Fernando Pinto, administrador da TAP, afirmou em entrevista à TSF que considera a greve uma "traição aos passageiros". Por seu lado, o sindicato espera uma maior abertura ao diálogo que possibilite a resolução deste "braço de ferro" que tem origem em questões salariais, mas nem mesmo após a reunião de ontem dos vários sindicatos da TAP com o Secretário de Estado dos Transportes Sérgio Monteiro foi possível chegar a acordo de modo a evitar a paralisação.

A manutenção de Serviços Mínimos foi declarada pelo Tribunal Arbitral, garantindo assim a realização de uma ligação de ida e volta entre Lisboa e Funchal, Lisboa e a Terceira, e Lisboa e São Paulo, bem como o regresso de voos provenientes de aeroportos internacionais. Em alternativa, alguns dos voos previstos serão assegurados pela PGA, companhia aérea regional que faz parte do grupo TAP.

Publicidade

Caso as negociações entre o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil e a administração da TAP não sejam conduzidas a bom porto nos próximos dias, novas paralisações estão agendadas para 30 de novembro e 2 de dezembro, fazendo antecipar novas perturbações nas operações da companhia aérea nacional.