Três homens cobertos dos pés à cabeça tentaram entrar no Parlamento Australiano (Parliament House) em Camberra, Austrália, em protesto contra a permissão de uso público de indumentária islâmica feminina. Um deles ia vestido de Ku-Klux-Klan, outro ia de niqab e o terceiro levava um capacete de motoqueiro. Apenas o homem que vestia o niqab (indumentária islâmica que cobre o corpo na totalidade, exceto os olhos) foi permitido entrar desde que se sentasse numa galeria à parte. Os três homens, identificados como Sergio Redegalli, Nick Folkes e Victor Waterson, fazem parte do Movimento "Faceless" (Sem cara), que se opõe ao uso de burqas (indumentária que cobre o corpo na totalidade incluindo os olhos) e Niqabs, em locais públicos.

Publicidade
Publicidade

O movimento proclama que a "ideologia política" do islão é contrária aos credos australianos. Parece estranho utilizar a vestimenta de uma ideologia extremista para protestar contra outra, mas estes homens mostraram que de facto "é permitido cobrir completamente a cara no Parlamento se se for uma mulher muçulmana, mas a mais nenhum grupo é permitido o mesmo privilégio," conforme explicou aos jornalistas locais o Sr. Redegalli. "A nós, como homens, não nos é permitida qualquer cobertura no Parlamento."

De acordo com as regras de segurança do Parlamento Australiano, é permitida a entrada a mulheres muçulmanas usando burqa ou niqab, uma vez que tenham mostrado a cara, no ponto de segurança. O movimento Faceless, juntamente com o senador Jacqui Lambie do Palmer United Party, têm defendido que as burqas sejam banidas na Austrália, alegando serem "culturalmente incompatíveis com o nosso modo de vida".

Publicidade

Os três manifestantes pertencem a movimentos que proclamam que a Austrália está a ser invadida por asiáticos, os quais são uma ameaça ao modo de vida da "Austrália Branca" e à própria sobrevivência do povo Australiano. Estes homens pretendem continuar a dar ênfase aos seus sentimentos nacionalistas, escolhendo seguidamente um Banco como alvo do seu protesto. Não é ainda conhecido se irão utilizar as mesmas indumentárias.

( fontes: BBC News, The Australian)