A chuva abateu-se sobre Lisboa e deixou várias zonas da cidade momentaneamente inundadas, cerca de 3 semanas depois de outro episódio semelhante, com o Outono a mostrar-se agreste. O território de Portugal Continental, em especial o centro e sul, foi atravessado por uma superfície frontal de características próprias, mais curto e temporário que o habitual mas também mais intenso. Dados do Instituto Português do Mar e da Atmosfera indicam que caíram cerca de 34 milímetros de água por metro quadrado na capital portuguesa, entre as 14h e as 15h, valor superior ao do passado dia 22 de Setembro, quando também alguns pontos da cidade ficaram inundados.

Publicidade
Publicidade

Os túneis da avenida João XXI, do Campo Grande e a Calçada de Carriche encontraram-se encerrados ao trânsito, assim como a avenida Dr. Augusto de Castro, em Chelas. Em algumas ruas da Baixa de Lisboa só era possível a circulação a veículos pesados, dada a quantidade de água, enquanto o Terreiro do Paço se assemelhava a uma imensa piscina. Além do Terreiro do Paço, a água chegou também a Alcântara, e as autoridades referiram ainda que, por sorte, a chuva não coincidiu com o período de maré alta, caso contrários as dificuldades seriam agravadas. A imagem desta notícia (autoria de ct5iul e publicada nas redes sociais) mostra os efeitos da chuvada na zona de Entrecampos. Benfica, Alvalade, Arroios e Baixa foram, de forma geral, as zonas mais afetadas. A chuvada provocou igualmente inundações menores em outras áreas da Grande Lisboa, nomeadamente em Cascais e na Parede.

Publicidade

Não há notícias de danos pessoais - além das escoriações sofridas por uma pessoa, que foi arrastada pela água na zona de Xabregas.

Nas redes sociais, alguns munícipes apontavam o dedo a António Costa e à alegada inércia na manutenção e limpeza da cidade, tão pouco tempo depois de um episódio semelhante, em Setembro. Os munícipes apontavam ainda ao novo secretário-geral do PS o facto de se dedicar agora mais à sua candidatura a primeiro-ministro e menos à cidade, e também um subsídio de 40.000 euros atribuído pela Câmara Municipal de Lisboa à Fundação Mário Soares.