O governo da Nigéria anunciou o estabelecimento de um cessar-fogo com o movimento rebelde Boko Haram, que controla parcialmente o norte do país. No âmbito do acordo, o Boko Haram ter-se-á comprometido a proceder à libertação das 200 mulheres e crianças raptadas no início deste ano, por serem estudantes numa escola - um episódio que motivou um largamente divulgado movimento de indignação internacional. O anúncio foi feito pelo ministro da Defesa, Alex Badeh, no final de um encontro sobre segurança entre os governos da Nigéria e dos Camarões, que durou 3 dias. Os Camarões têm mobilizado uma força militar crescente contra o movimento islamita.

Não existiu nenhuma reacção oficial ou oficiosa por parte do Boko Haram neste sentido, embora o governo nigeriano assegure que o movimento declarou um cessar-fogo unilateral na quinta-feira e que o governo correspondeu.

Publicidade
Publicidade

Os detalhes sobre a libertação das raparigas deverão ser ultimados nos próximos dias, num encontro a decorrer em Ndjamena, capital do Chade, que actuou como intermediário na negociação.

Muitos nigerianos estão cépticos relativamente a este comunicado. Por um lado, pelo facto de, e apesar de alguns rumores, não existirem notícias prévias de estarem a decorrer negociações com o grupo militar. Além disso, precisamente por o grupo não se ter pronunciado no mesmo sentido. E finalmente, pelo facto de estarem a aproximar-se eleições na Nigéria. Contudo, o facto de o grupo estar em silêncio sobre esta notícia poderá ser um indicador positivo - tal como sucede com o Estado Islâmico, o Boko Haram tem adoptado uma postura de desafio e emissão de vídeos provocadores para o Ocidente, pelo que seria de esperar uma reacção simples e imediata a esta declaração da Nigéria.

Publicidade

O grupo "Bring Back Our Girls", que luta pelo regresso das raparigas raptadas, reagiu com "optimismo" à notícia.

O grupo Boko Haram é um movimento que, à imagem do Estado Islâmico, luta pela criação de um estado onde seja aplicada a versão extremista e fundamentalista da lei islâmica. O seu nome oficial é (transcrito do inglês) "Jama'atu Ahlis Sunna Lidda'Awati Wal-Jihad", o que significa "Pessoas Comprometidas com a Divulgação dos Ensinamentos do Profeta e com a Jiade". A alcunha "Boko Haram", em língua haúça (falada no norte da Nigéria, onde o movimento surgiu) significa "a educação ocidental é um pecado".