Paulo Portas declarou que preferia uma redução da sobretaxa de IRS de 1%, em vez da solução encontrada para o Orçamento de Estado. O vice-primeiro-ministro e líder do CDS-PP deixou estas declarações num discurso após um jantar com militantes do partido em Viseu. Paulo Portas afirmou que a sua preferência pela redução da sobretaxa não obteve consenso, e que nesse caso a sua preferência iria para um crédito do imposto. O líder do CDS-PP sublinhou também as vantagens do novo orçamento, nomeadamente a protecção das famílias com mais filhos, as que têm mais despesas, a descida do IRC e até o reembolso do IVA aos agricultores.

Portas lembrou ainda o papel de "salvador" assumido pelo seu partido, chamado à governação em momentos de dificuldade e sem poder aproveitar períodos de maior crescimento.

Publicidade
Publicidade

Servindo assim o país, segundo Portas, enquanto elemento de manutenção de ordem na casa. Para 2015, Portas prevê um cenário semelhante ao de 2014, com melhorias progressivas a todos os níveis - exportação, consumo e crescimento. O jantar teve como ponto principal a tomada de posse da Comissão Política Distrital de Viseu e das respectivas concelhias e serviu também para homenagear todos os que fundaram e trabalharam pelo partido no distrito desde a fundação da democracia, após o 25 de Abril.

Portas prossegue assim o seu caminho habitual de se dissociar estrategicamente das posições mais duras e difíceis do governo a que pertence, "descartando-as" implicitamente sobre o PSD, seu parceiro de coligação, e assumindo a responsabilidade de co-assinar ideias e medidas com as quais não concorda a bem da ordem e da salvação do país. Nesta perspectiva, o CDS-PP é simultaneamente o partido em que se pode confiar para assegurar a estabilidade e ao mesmo tempo o contrapeso necessário para que a austeridade e as medidas duras não sejam ainda mais austeras e duras. O episódio de instabilidade política criado em Julho de 2013 pela ameaça de queda iminente do Governo continua, assim, a ser progressivamente esquecido em favor do posicionamento adoptado por Portas.