Segundo o Presidente da TAP Air Portugal, a companhia aérea nacional contratou um auditor externo para avaliar os problemas técnicos que afetaram os aviões da empresa ao longo do verão e que tiveram como resultado um número incomum de cancelamentos de voos.

Em depoimento à Comissão de Economia e Obras Públicas, Fernando Pinto anunciou a intenção de procurar ajuda externa, mas sem no entanto indicar o nome da entidade que está a realizar a auditoria.

Ainda assim, Fernando Pinto afirmou que "a TAP não sofreu qualquer perda de reputação técnica" por causa de incidentes do Verão, ressaltando que a empresa é mais cautelosa do que outros em alguns aspectos-chave.

Os cancelamentos e atrasos "não têm nada a ver com a manutenção da TAP", frisou. "Acho que somos mais conservadores do que outras empresas e acho que isso é bom." Afirmou ainda que a empresa dá aos seus pilotos total poder de decisão em questões de segurança.

Pinto disse ter recebido contactos de outras empresas, as quais manifestavam surpresa perante a situação insólita, situação essa descrita pelo presidente da TAP como "o ataque a que a empresa esteve sujeita" e culpou o sindicato dos pilotos por isso. "O sindicato usou este período para não só convocar greves de um dia, mas também para trazer a público alguns pontos negativos, o que atraiu a atenção dos meios de comunicação."

Quanto aos cancelamentos, que reconheceu estarem "fora do normal" em termos de números, 227 foram por falta de tripulação e 120 foram por razões técnicas. Destes últimos, 56 por cento estavam em planos da frota da Portugália, uma unidade semi-autónoma da TAP que usa jactos regionais.

A TAP está entre os ativos estatais que o #Governo espera privatizar assim que as condições de mercado o permitirem. Já no final de 2012 o governo tinha tentado vender a transportadora aérea portuguesa. No entanto esse processo teve de ser suspenso, quando o único licitante não apresentou a garantia bancária necessária. Até ao momento o nome do auditor externo não foi ainda conhecido. #Negócios