Foi anunciado que o BBVA irá encerrar 43 agências e despedir de forma coletiva 177 funcionários, sendo que até agora contavam com 81 agências e 750 trabalhadores. Como motivo, é apresentado o facto de o Banco em questão anunciar perdas constantes, que nos últimos três anos chegaram ao valor de 186 milhões de euros. Através de fonte oficial, o BBVA declara o interesse em continuar a operar em Portugal, pois é um mercado com proximidade geográfica a Espanha e continua a existir uma elevada inter-relação negocial entre os dois países.

As incógnitas sobre o futuro do BBVA em Portugal começaram a surgir no início do corrente ano, quando o Banco anunciou a sua intenção terminar a sua atividade em Portugal.

Publicidade
Publicidade

Esta intenção surgiu após o anúncio dos resultados referentes a 2013, em que o BBVA Portugal apresentou um resultado negativo na ordem dos 110 milhões de euros.

No decorrer da situação vivida pelo Banco Espírito Santo, o BBVA recuou na intenção de venda das suas participações em Portugal. A crise vivida no BES influenciou negativamente as bolsas internacionais e o BBVA viu afastarem-se possíveis compradores, como o Crédito Agrícola que se encontrava em vantagem para a aquisição dos bens do BBVA em Portugal por valor superior a 500 milhões de euros.

Não tendo sido concretizada a venda, o BBVA anuncia agora uma tentativa de reestruturação das suas operações em Portugal para tentar tornar a sua atividade sustentável no nosso país. Assim sendo, foi decidido que vão ficar com apenas 38 agências e 573 funcionários, dos 750 atuais.

Publicidade

Já no passado ano de 2013, a Caja Duero tinha anunciado o despedimento coletivo de um número superior a 40 funcionários e o encerramento das suas agências em Portugal, após ter sido resgatada financeiramente em Espanha. Neste caso, o BBVA irá tentar manter a sua atividade no nosso país; veremos no entanto quais os impactos futuros desta decisão e se não será uma forma suavizada de chegar ao mesmo resultado final mas de forma faseada.

Também as instituições financeiras portuguesas estão a optar pelo caminho dos despedimentos como solução para os maus resultados apresentados. Até Setembro deste ano, o BCP já rescindiu o contrato de 318 funcionários, o BPI efetuou um corte de 196 colaboradores e o Santander Totta fez uma redução de 135 postos de trabalho.

Vendo estes números, fica a questão no ar: Portugal está fora da crise como anuncia categoricamente o nosso Governo? #Desemprego #Bancos