As autoridades já esperavam aquilo que acabou por se tornar uma realidade, ontem, na cidade de Ferguson, no estado americano do Missouri. A passada segunda-feira era o dia em que um grand jury iria decidir se o agente Darren Wilson viria a ser julgado pela morte do adolescente Michael Brown, ocorrida em Agosto, após um assalto a uma loja de conveniência. Desde a morte de Brown, e à medida que os pormenores sobre o caso começaram a ser conhecidos, que têm ocorrido diversos protestos, um pouco por todo o território americano. Os manifestantes contestam uma lei que vigora no estado do Missouri, que regula os requisitos para a utilização de força extrema, passível de redundar em morte, na detenção de indivíduos em fuga.

Publicidade
Publicidade

A lei deste estado exige que seja provado, sem margem para dúvida, que o elemento das forças de autoridade não necessitava de usar meios passíveis de provocar a morte do indivíduo. Ou seja, o ónus da prova recai sobre a acusação. Já no estado do Illinois, por exemplo, cabe ao agente da polícia provar que utilizou a força necessária para o caso em apreço. No Missouri, os agentes da polícia estão autorizados a abater um indivíduo pelas costas se este se encontrar em fuga. No Illinois, isso só é permitido se o indivíduo representar um perigo efetivo.

Com a decisão de não julgar o agente da polícia daquela cidade, com base nesta lei, algumas das manifestações pacíficas que ocorriam um pouco por todo o lado, tornaram-se violentas e diversos edifícios e carros foram incendiados e várias lojas foram pilhadas.

Publicidade

Apesar dos apelos do Presidente Obama e da família de Brown, os tumultos atingiram proporções assustadoras e nem os carros das forças policiais escaparam à revolta da população.

Também não foi uma noite fácil para os diversos profissionais da comunicação social que se viram diretamente envolvidos nos tumultos e foram alvo de ameaças e tentativas de agressão, tendo sido efetuadas diversas detenções. Esta manhã, a população acorreu às ruas para se juntar ao esforço de limpeza, após mais um episódio que revela a crescente tensão racial que grassa em algumas zonas dos Estados Unidos.