Luís Marques Guedes, ministro da Presidência, afirmou que o Governo está contra a decisão da RTP de se propôr transmitir a "Champions". Numa conferência de imprensa, Luís Marques Guedes foi questionado se o Governo havia concordado com a RTP, na sequência da notícia de que o canal público avançou com uma proposta para ficar com os direitos do #Futebol da UEFA. Marques Guedes explicou o contexto actual e deixou clara a oposição do Governo à RTP.

O ministro da Presidência explicou que "por opção do Governo, as orientações dadas à rádio e televisão públicas foram desgovernamentalizadas." Ou seja, existe um Conselho Geral Independente que decide de forma autónoma.

Publicidade
Publicidade

Contudo, relativamente à opinião do Governo, Guedes lembrou que "foi este Governo, enquanto as decisões eram governamentalizadas, que decidiu que a RTP deveria afastar-se desse tipo de concorrência com outros operadores." O ministro deixou críticas fortes à decisão, lembrando que tendo a empresa e o próprio país dificuldades financeiras, o operador público deveria afastar-se do futebol, tal como estever antes da atribuição do Conselho Geral Independente.

Ressalvando que o Conselho Geral da RTP actua sem interferência do governo, Guedes recomenda ao Conselho que se pronuncie sobre esta situação.



Recorde-se que a RTP não participou, por indicação do ex-ministro Miguel Relvas, no concurso de atribuição dos direitos de transmissão televisiva da Liga dos Campeões de futebol de 2012 a 2015, por entender que não faria sentido investir dinheiro público em futebol num momento de extrema dificuldade financeira.

Publicidade

A RTP havia indicado, em comunicado, que os valores da sua proposta para ficar com os direitos de transmissão televisiva da por 3 anos são muito abaixo dos 18 milhões de euros veiculados pela imprensa. Contudo, no entender do Ministro, da TVI e de alguma opinião pública, a RTP deveria, de todo, afastar-se da Liga dos Campeões. A TVI chegou a responder à notícia, indicando que a RTP deveria ser a primeira a regular o mercado e não a contribuir para a sua desregulação.