Em 481 cidades do mundo, os mascarados do grupo Anonymous saíram à rua para a "Million Mask March" (*). As manifestações de carácter pacífico tinham como objectivo protestar contra a corrupção, a opressão, a injustiça social, a pobreza, a guerra, a austeridade, entre outros ideais.

A máscara que simboliza Guy Fawkes, criada pelo artista gráfico David Lloyd, que todos os participantes usaram, foi uma forma de mostrar a globalidade e a motivação de uma legião que age como se de apenas um indivíduo se tratasse.

Na capital de Portugal, foram cerca de uma centena os Anonymous que se reuniram ao final da tarde e marcharam do Marquês de Pombal até ao Rossio, apesar de a página de Facebook do evento ter reunido 1100 confirmações.

Publicidade
Publicidade

Não houve incidentes, mas vários agentes da polícia acompanharam o grupo de pessoas e junto à embaixada da Dinamarca pediram ao grupo para dispersar. No Porto, terão sido 43 os activistas que se juntaram ao movimento.

Dois detidos no dia anterior no Porto

Segundo o site Tugaleaks, dois jovens foram abordados por sete agentes da PSP na tarde de terça-feira, no Porto, por estarem a usar máscaras associadas ao grupo Anonymous. Os jovens, que estavam apenas sentados num banco, foram levados para a esquadra do Bonfim para serem identificados.

Segundo um do envolvidos, que escreveu sobre o caso na página de Facebook da "Million Mask March", a polícia desconhecia que haveria uma marcha no dia seguinte e terá informado os dois jovens de que os participantes da acção seriam detidos por "desobediência qualificada", uma vez que seria necessário um aviso prévio, 48 horas antes, à Câmara Municipal do Porto (contudo não houve nenhuma detenção hoje no Porto).

Publicidade

A abordagem terá sido motivada pela denúncia de um lojista que tinha visto os jovens mascarados e temia um assalto. Um dos agentes terá sugerido que as máscaras que os jovens usavam estavam associadas a outros crimes.

Hacktivismo

O grupo Anonymous está associado a ataques informáticos como forma de protesto - o chamado hacktivismo (junção das palavras "hack" e "activitismo").

Ao longo da tarde do dia 5 de Novembro, pelo menos dois grupos associados ao movimento, "Anonymous" e "Outside The Law", anunciaram nas respectivas páginas de Facebook dois ciberataques informáticos, um ao Conselho Superior da Magistratura e outro ao CES (Centro de Estudos Sociais de Coimbra). Foram ainda divulgadas nessas páginas listas de nomes, contactos e até palavras-passe de membros de entidades públicas como a PSP, GNR, Ministério da Agricultura, entre outros.

Protestos menos pacíficos

Em Londres, Inglaterra, pelo menos cinco pessoas foram detidas durante a "Million Mask March", no seguimento de confrontos com a polícia.

Publicidade

Segundo as autoridades locais, os protestantes em causa agrediram os agentes da autoridade, explodiram fogo-de-artifício e causaram obstrução. Junto ao Parlamento britânico, centenas de mascarados juntaram-se para um protesto silencioso, mas a polícia obrigou-os a dispersarem.

Em Washington D.C., nos Estados Unidos, também existiram confrontos menos pacíficos. Um grupo de activistas tentou entrar no edifício da empresa Monsanto, mas foi disperso pela polícia, tendo um dos protestantes sido algemado. Outro grupo tentou entrar num restaurante da cadeia McDonald's, mas foi também desmobilizado.

(*) Já sabe o que há de tão especial no dia 5 de Novembro? Descubra aqui.