Trata-se da peça central de um conjunto arquitectónico que ocupará uma área de cerca de 65 Km2, erguido no local onde, a 11 de Setembro de 2011, foram dizimadas as torres gémeas do World Trade Center e onde morreram mais de 2.700 pessoas, que ficaram enterradas sob montes de destroços em chamas.

"A linha do céu de Nova Iorque está de novo inteira", disse Patrick Foye, Diretor Executivo da Autoridade Portuária de Nova Iorque e Nova Jérsia, proprietária do edifício e do complexo do World Trade Center. A One World Trade Center "estabelece novos standards de design, construção, prestígio e sustentabilidade," afirmou.

A primeira empresa a começar a mudar-se nesta segunda-feira é a Conde Nast, gigante da publicação, "para dentro do escritório mais seguro do mundo", segundo afirmou Foye.

Publicidade
Publicidade

Por agora apenas 170 dos seus 3.400 trabalhadores se irão instalar nos primeiros cinco andares. Cerca de três mil irão chegar a partir do início de 2015, informou a vice-Presidente e porta-voz da Conde Nast, Patricia Rockenwagner.

Outras empresas se irão instalar, ocupando uma área de 7,4 Km2, bem com a Administração de Serviços Gerais do Governo (que ocuparão cerca 25 Km2) e o China Center (com 18 Km2).

A construção da torre com 104 andares e 541 metros, a mais alta da América, tendo custado um total de 3,9 mil milhões de dólares, demorou oito anos com litígios e discussões burocráticas entre as várias entidades envolvidas. Mas as coisas começaram a acalmar depois do início da construção de outras duas torres que fazem parte do complexo: a já completa Four World Trade Center, onde se instalará a Autoridade Portuária, e a Three World Trade Center que começa lentamente a ser erguida.

Publicidade

Apesar das terríveis memórias não terem sido apagadas pelo espírito de renovação, a área tem conhecido um desenvolvimento inesperado, com mais 60.000 habitantes residentes do que na altura da tragédia, os quais mantêm lojas e restaurantes abertos para além da hora de fecho dos escritórios.

T.J. Gottesdiener, da empresa Skidmore, Owings & Merrill, responsável pela arquitectura e desenho do imóvel, diz que "a torre foi construída em betão armado com ferro reforçado, o que a torna tão "à prova de ataques terroristas, quanto possível."

Afirmou que para tal, a empresa foi mais além das exigências dos códigos de construção da cidade.

"Fizemo-lo! Finalmente fizemo-lo!", acrescentou.

- fonte: USA Today