O ex-primeiro-ministro José Sócrates continua a ser interrogado na sequência da sua detenção, na passada sexta-feira. De acordo com João Araújo, o seu advogado, o interrogatório de Sócrates prossegue hoje no Tribunal Central de Instrução Criminal em Lisboa. Araújo referiu, ontem à noite e à saída do tribunal, que Sócrates está animado. De acordo com a agência Lusa, Sócrates dormiu no Comando Metropolitano da PSP de Lisboa, situado em Moscavide. Não são conhecidos mais desenvolvimentos sobre o tema.

A detenção de Sócrates marcou a actualidade do fim-de-semana, mas os factos escasseiam e tanto a imprensa como o público limitam-se agora a uma espera impaciente sobre novos desenvolvimentos. O sábado foi dia de alta intensidade nas redes sociais, com políticos de todos os quadrantes a comentarem de forma estridente o caso, a título pessoal, enquanto a título institucional tudo se remeteu ao silêncio e à circunspecção - inclusivamente o PS, que pediu aos portugueses para separarem o partido das pessoas.

Ontem, o dia político foi marcado pela convenção do Bloco de Esquerda, onde o clima de união que se pretende para serenar os ânimos e combater a direita foi surpreendido com uma votação duríssima e talvez inédita na democracia portuguesa: as duas moções à liderança tiveram exactamente 259 votos cada, após 3 votações. Já o primeiro-ministro, num discurso velado e sem referir directamente Sócrates ou sequer o seu caso, lembrou aos portugueses que "os políticos não são todos iguais" e valorizou o esforço que, no seu entender, o PSD desenvolveu desde que chegou ao Governo. Mas as atenções de todos encontravam-se no tribunal, com os jornalistas esperando ansiosamente por novidades e cercando João Araújo em cada vinda sua à rua para um cigarro e um café.

Contudo, por óbvias razões relacionadas com o segredo de #Justiça e a sua própria conveniência, Araújo nada comentou e desta forma o país continua em suspenso. Ao longo de Sábado e Domingo os comentadores esgotaram as suas reacções e ideias, sendo que dos principais actores só mesmo o Presidente da República se terá esquivado a um comentário - sendo que seguramente a sua reacção seria a que o dever obriga, de não comentar casos judiciais. Marcelo Rebelo de Sousa alvitrou que Sócrates sabia da sua detenção, que até falou sobre esta investigação em Julho e que terá optado por regressar a Portugal para se constituir arguido, lembrando também que António Costa será "um génio" se conseguir ganhar as eleições depois deste caso. Na RTP, o habitual programa de comentário televisivo de Domingo à noite, após o Telejornal, não se realizou.

Mas por agora já tudo se disse sobre o caso, aguardando-se ansiosamente pelas medidas de coacção que serão conhecidas em breve.

Publicidade
Publicidade