O caso de corrupção dos Vistos Gold, tornado público na quinta-feira com a detenção de altos quadros do Estado (nomeadamente o Director do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e o Presidente do Instituto dos Registos e Notariado), está a atrair as atenções do mundo. O caso tem conhecido novos desenvolvimentos ao longo das últimas 48 horas, com o conhecimento de ligações entre os vários detidos (são 11 ao todo) e pormenores sobre o esquema (pagamento de comissões para apressar a emissão dos vistos e inflacionamento ilícito do valor de imóveis para legalizar o investidor). Tal como em Portugal, a imprensa internacional sublinha a importância e posição elevada dos suspeitos no âmbito da estrutura do Estado português e daí o interesse sobre o caso. E embora muitos dos artigos basicamente repliquem a informação veiculada pela agência Reuters, é sinal do interesse e curiosidade que o caso português desperta a nível mundial.

Logo na sexta-feira, o Finantial Times havia dado a notícia quase em primeira mão, antes mesmo de terem sido divulgadas as identidades dos detidos. O jornal inglês já dava o caso como um "severo golpe" para o governo português, embora a reacção da opinião pública portuguesa não tenha sido, nos primeiros momentos, de revolta contra Passos Coelho relativamente à detenção de eventuais criminosos.

O South China Morning Post, jornal baseado em Hong-Kong, refere a notícia explicando a forma de funcionamento dos vistos e as declarações da Ministra de Justiça sobre o fim do tempo da impunidade. O jornal sublinha que os principais beneficiários do programa são "chineses ricos", mas não refere a existência de cidadãos chineses detidos na operação. O South China explica também que a Espanha e outros países da União Europeia têm programas semelhantes aos Vistos Gold portugueses.

Em França, o Le Parisien menciona o "affaire de corruption" em Portugal, sublinhando que a Ministra da Justiça convidou os visados a apresentar a demissão dos seus cargos.

Na Alemanha, o Frankfurter Allgemeine refere-se ao caso com o título: Korruptionsring um "goldene Visa" aufgeflogen, ilustrada com a imagem de Pedro Passos Coelho, e referindo-se aos destinatários dos vistos como "Chinesen, Angolanern, Brasilianern, Russen und Südafrikanern" (sul-africanos).
Outros jornais que referiram o facto foram o Shanghai Daily (China), o Daily Mail (Reino Unido), o ABC (Espanha), o Times of India (Índia) e até o Times of Malta (Malta).