O papa Francisco terminou este último Domingo a sua visita à Turquia, onde permaneceu 3 dias. Esta sua deslocação teve uma importância relevante em termos ecuménicos. Durante a sua visita, houve lugar a encontros com os principais responsáveis políticos turcos e ainda uma deslocação à Mesquita Azul em Istambul, que aconteceu no passado sábado. A Turquia é um país com um total de 77 milhões de habitantes e onde uma larga maioria da população é muçulmana, portanto 99% da população.

Apesar deste fato, o Papa Francisco foi recebido no seu primeiro dia de visita à Turquia pelos dirigentes políticos turcos, como foi o caso do Presidente Recep Tayyip Erdogan e teve ainda uma audiência com o primeiro-ministro Ahmet Davutoglu.

Publicidade
Publicidade

Uma das afirmações do Presidente Turco sobre a visita do Papa Francisco, foi que este foi um passo "significativo" para o incentivo da paz. No primeiro dia da sua visita, em Ancara, podemos ouvir o Papa dizer que "O diálogo inter-religioso e intercultural podem dar uma importante contribuição para que tenham um fim todas as formas de fundamentalismo e terrorismo". Reforçando que o objectivo desta visita era o verdadeiro diálogo inter-religioso.

Durante a sua visita, o papa denunciou a perseguição dos cristãos, e o presidente da Turquia afirmou que o Ocidente necessita de fazer muito mais para combater aquilo a que chama de islamofobia. O papa Francisco acrescentou e apelou ao respeito e ainda à cooperação entre todos, pedindo "um diálogo que aprofunde o conhecimento mútuo entre as religiões".

Publicidade

Pedindo ainda, muito mais do que uma atuação conjunta, no sentido de haver mais diálogo entre religião, para evitar fanatismos, pois o mundo "já foi, por tempo demais, palco de guerras entre irmãos".

O pontífice acrescentou que era relevante lutar contra as ameaças sobre o planeta, a intolerância entre os Homens, o racismo e a discriminação. As suas palavras correram já o mundo: "Temos de atuar juntos contra as ameaças, que pesam sobre nosso planeta: a intolerância, o racismo e as discriminações". O papa Francisco deixou um apelo muito importante, pediu mais ajuda a todos os refugiados da Síria e do Iraque. "Fanatismo e fundamentalismo, assim como temores irracionais que abrigam discriminação, mal entendidos, precisam ser contidos com a solidariedade de todos os crentes." O líder supremo da Igreja católica deixa a Turquia, com o seu mote de melhorar o diálogo entre religiões e a tolerância entre todos os Homens.