O mês passado fiquei por instantes aparvalhada a olhar para o ecrã do computador quando recebi por e-mail um texto retirado de uma prova de português (o dito texto pode ser lido em brincarvalho.blogspot). Um claro exemplo de como a nossa língua portuguesa é utilizada pelos mais novos, que escrevem tal e qual na linguagem dos telemóveis. Como se não bastasse ser inapropriada em contexto escolar (ou qualquer outro contexto escrito), é transposta para a escrita regular com a maior das naturalidades, desvalorizando por completo a Língua Portuguesa! Sinceramente, fiquei arrepiada com o que li.

Não acho que isto seja normal, mas tendo em conta que vivemos na era da tecnologia e que os adolescentes vivem basicamente colados aos telemóveis, não admira que surjam situações destas. Não pretendo aqui atribuir culpas a ninguém, mas este é um dos piores efeitos causados pela perda dos valores quer culturais, quer morais ou sociais de que a nossa sociedade tem vindo a padecer há já muito tempo, a par com a profunda influência dos meios tecnológicos.

Por isso mesmo, com as gerações mais novas a pensar e a escrever deste modo, dificilmente chegaremos a bom porto em todos os sentidos. Creio que existe um grande lapso na educação que ninguém quer ver ou finge que não vê; isto é, no tempo dos nossos pais e avós (e mesmo para a geração que está agora na casa dos 20 anos) havia um grande enfoque em escrever correctamente, ao passo que hoje em dia esse aspecto educacional parece estar esquecido e desvalorizado. E depois surgem textos destes que deixam quem ama a sua língua com os cabelos em pé e com vontade de subir pelas paredes.

Faço então um apelo: por favor, pais, educadores, professores, a quem isto possa dizer alguma coisa, ensinem os jovens a escrever correctamente e não deixem que a nossa Língua Portuguesa seja tratada como a coisa banal que não é; mantenham-na viva e respeitem-na e ensinem estas novas gerações a fazer o mesmo, para que a singularidade da nossa língua não se perca! #Educação