Os Estados Unidos da América têm vindo a perder o seu status enquanto única superpotência desde o fim da Guerra Fria, enquanto a China tem aumentado o seu poder. Este reequilíbrio começa a ter um impacto profundo no sistema internacional e na forma como este é governado. A actual dinâmica do sistema internacional encontra-se em mudança, de um sistema unipolar, com os Estados Unidos no centro do poder, para um sistema bipolar, com a China a ocupar o outro extremo. A disparidade entre a China e os Estados Unidos está a diminuir.

O Produto Interno Bruto (PIB) da China em 2011 terá sido de 45% do PIB dos Estados Unidos da América. Se o PIB da China continuar a crescer 8,5% por ano e o PIB dos EUA crescer menos de 3,8 %, a disparidade do PIB corrente entre as duas potências irá estabilizar dentro de uma década. Enquanto isso, nos próximos dez anos, a disparidade económica entre estas duas superpotências e o resto do mundo vai continuar a aumentar. Nos próximos cinco anos, apenas os Estados Unidos da América e a China serão capazes de gastar mais de 100 bilhões de dólares nos programas de defesa, aumentando assim a lacuna com os outros Estados.

O sistema internacional já não é caracterizado pela existência de um sistema unipolar onde apenas existe uma superpotência, seguida de outras grandes potências. Do ponto de vista estratégico, o status dos Estados Unidos da América como única superpotência continua tão forte como sempre. As medidas de política externa levadas a cabo pelo ex-Presidente George W. Bush e a abordagem multilateral do actual Presidente Obama melhoraram e reforçaram os laços dos EUA com os seus aliados.

Actualmente os Estados Unidos da América lideram e promovem as relações com o Japão, França, Alemanha e com a Índia. A sua estratégia de smart diplomacy tem pautado a sua política de não-alinhamento com a República Popular da China, deixando-a sem aliados estratégicos suficientes para desafiar a ordem do sistema internacional actual. Por outro lado, a China é a única potência com poder suficiente para desafiar a ordem do sistema internacional através de uma aliança com a Federação. #História