Falo-vos na véspera de #Natal. Mesmo se quisesse ignorar, o Natal chegou e já me bateu à porta. Neste momento, faz-se o milionésimo doce para mais logo, não interessa as cabeças faz-se comida como se não houvesse amanhã, e que bem que cheira. Incrível como um evento pode unir o que não existe no resto do ano. Um acontecimento, altamente católico, que celebra o nascimento de Jesus Cristo, mas que, nestes dias, poderia muito bem celebrar o desenterrar de valores, que teimam em não aparecer ao longo do ano. Ateus, muçulmanos, não importa em quem ou no que acreditas: o Natal é motivo para mudar, para unir, para ajudar, para acreditar.

Toca a campainha, aparecem os primeiros familiares, e com eles prendas e sorrisos.

Publicidade
Publicidade

Confesso, estranhei os sorrisos, não os via desde o ano passado. Será que se esqueceram de ser infelizes por um ou dois dias? As prendas, não estranhei. Apesar de serem grandes e terem um embrulho sugestivo, não lhes dou valor. Percebo o porquê de existirem, há que animar as crianças e dar-lhes um motivo para estarem em #Família durante umas horas, mas o materialismo é das poucas coisas que não gosto do Natal.

"Lá fora temos uma guerra civil, mas é na união familiar que se encontra o abrigo", ouvi recentemente, e não posso concordar mais. As pessoas unem-se, juntam esforços e são melhores. Nesta altura o egoísmo e o egocentrismo de cada um tende a desaparecer, dando lugar à solidariedade, ao voluntariado, ao ajudar o próximo. Surgem todas as causas e fundações possíveis e imagináveis nesta altura, porque sabem, que depois desta época festiva, ninguém quer saber.

Publicidade

As pessoas ajudam e contribuem porque " é Natal". Uma resposta irracional, mas já notei que o irracional impera nesta época, e ainda bem que assim é. Se a razão dá lugar ao coração é hoje, talvez seja essa a "magia do Natal".

Bem, está quase na hora da famosa ceia de Natal e eu tenho que ajudar. Já sinto o ambiente alegre e festivo em casa. Quem diz que a felicidade contagia, tem toda a razão. Talvez o Natal seja especial, por causa das pessoas. E se chegar à conclusão perigosa de afirmar que o Natal são as pessoas, não me parece mal. O mundo hoje vai estranhar tanta felicidade, que durante o ano esteve guardada e muitas vezes foi questionada. Tudo por causa da magia do Natal, que traz o melhor de cada- começamos agir de acordo com os nossos valores, sem medos. O mundo é melhor e mais feliz por um dia. Obrigado Natal, por relembrares o que é realmente importante.