"Onde é que você estava no 25 de Abril de 1974?" Pergunta já estereotipada, mas a que vou responder. Nesse dia de Abril, final da manhã, frente à "cantina velha" da Cidade Universitária estou eu e mais três estudantes-comensais. Verificamos que a cantina está encerrada porque… está a haver um golpe de Estado. Pergunta: "Da extrema-direita, do Kaúlza de Arriaga?" Resposta: "Não, parece que aquilo foi feito por capitães". "E na rádio está a passar música do Zeca Afonso. O golpe não deve ser de direita!". Surpresa total: afinal, o Estado Novo pode não ser eterno!

Cena seguinte: na Baixa, à entrada do metro dos Restauradores, eu e mais dois rapazes e uma rapariga.

Publicidade
Publicidade

A alguns metros dali, uns poucos soldados da GNR com metralhadoras, alinhados junto à parede do hotel Avenida Palace, aparentemente desorientados. De repente, uma rajada de metralhadora. De onde vem isto? Reacção imediata minha e dos tais jovens: correria para dentro do metro (isto, sem armas -- eu nem sequer tinha feito tropa --, não somos nada!). Soube depois que os disparos foram feitos contra o Quartel do Carmo, que albergava o Presidente da República e o Primeiro-Ministro.

Vagueando pela baixa, cheguei a aperceber-me do saque de uma loja. "São loucos. Se os saqueadores fossem apanhados, podiam ser fuzilados", desferiu um estudante de Direito ali presente. Muita animação, sorrisos e confusão. A Primavera no auge. No entanto, fui depois informado que alguns cidadãos tinham sido assassinados por agentes da Pide/DGS.

Publicidade

A impoluta "revolução dos cravos", manchada a vermelho de sangue.

E já pela tardinha, no Chiado, deparei-me com um colega da Universidade, ligado à União dos Estudantes Comunistas (ramo estudantil do PCP), a quem eu disse que estava com fome. Resposta dele, emocionada: "Antes passar fome um dia do que passar fome toda a vida". Isto dito com uma expressão idêntica à de um revolucionário do "Couraçado Potemkine". Mesmo sem o boné proletário. Eu era então revisor de imprensa no pré-histórico "Jornal do Comércio", em horário nocturno, supranumerário -- regime de trabalho eventual, que obrigava a que o profissional só "avançasse" para trabalhar, quando um funcionário efectivo faltasse ao serviço.

E na noite desse dia nem fiz o telefonema da praxe para o jornal: "Posso 'avançar?'" Porque eu estava numa revolução... Talvez o jornal até viesse a fechar, nessa noite... Outra influência nesse sentido foi a frase, ecoando nos meus ouvidos, de um colega meu desse diário, supra como eu: "Ser supranumerário neste jornal é ser escravo." De facto, por hábito, o revisor supra era chamado para substituir o efectivo (em geral, com um segundo emprego) somente quando este se queria livrar do piquete a que estava previamente escalado, que o obrigaria a permanecer no jornal até ao fecho da edição, lá pelas duas horas ou mais, da madrugada.

Publicidade

Portanto, até nisto eu necessitaria de um 25 de Abril libertador… Final deste filme: Uma das primeiras medidas laborais do Governo revolucionário foi acabar com os supranumerários da revisão de imprensa, passando-os de imediato a efectivos. É evidente que libertaram da escravidão muitos outros supras do Portugal trabalhador!.. Essa foi para mim, portanto, uma importante "conquista da revolução". Mas nada - nadinha - significando esse meu singelo emprego estável, comparado às conquistas gigantes do 25 de Abril: a Democracia, liberdade de expressão, a dignidade da cidadania, a supressão de preceitos anti-progresso. #História