Todos nós já ouvimos falar de uma personagem da nossa sociedade que dá pelo nome de Gustavo Santos, certo? Pois bem. Para os mais desatentos vou tentar fazer um resumo da vida do rapaz. O Gustavo nasceu na capital de Portugal no dia 27 de Maio de 1977. E tornou-se conhecido do grande público por ter pertencido a uma boys band chamada Heza Plus, onde também dançava, tornando-se depois bailarino profissional. Posteriormente foi passando por outras áreas culturais como a moda, a representação, apresentação de programas de televisão, escrita de vários livros e orador em palestras de motivacionais.

Dos vários livros publicados destaque para "A força das palavras"; "Agarra o agora" e "Arrisca-te a viver". No seu CV destaque ainda para o cargo de presidente que ocupa desde 2002 na Sociedade Portuguesa de Doentes do Síndrome de Asperger. Actualmente podemos vê-lo a apresentar o popular programa de televisão da TVI "Querido mudei a casa". Foi ainda considerado em 2014 a personalidade do ano pela revista "Egoísta" por causa dos seus vídeos que correm nas mais diversas redes sociais.

Até aqui tudo muito bem. O Gustavo faz a sua vida e qualquer um de nós faz a sua. Porém, ontem aconteceu um ataque ao semanário francês Charlie Hebdo, em Paris, nas instalações da sede deste jornal satírico e que vitimou 12 pessoas (a maioria jornalistas). E o nosso amigo escreveu na rede social Facebook o seguinte post: "Liberdade de expressão é uma coisa, desrespeito gratuito e egóico pelas mais altas crenças dos outros, sejam elas quais forem, é outra. Infelizmente, um e outro ponto colidiram hoje. Que uns sejam apanhados e severamente julgados pelo que fizeram e que outros, os que tiveram sorte e ficaram, assim como tantos outros que fazem carreiras a ridicularizar a verdade de quem não conhecem de lado nenhum, aprendam alguma coisa com isto! Opinar sim, questionar também, agora gozar sistematicamente com convicções alheias é que me parece despropositado. Além disso, sempre que desrespeitamos alguém desta forma, estamos a trazer uma potencial ameaça para a nossa vida! Cuidem-se! Boa tarde!".

Porém, o Gustavo esquece-se que vivemos numa sociedade em que podemos brincar com qualquer coisa e o próprio é alvo disso, porque é uma personagem singular na nossa sociedade. Destaca-se por ser diferente, por comunicar de forma diferente, etc. Naturalmente que tem de haver um certo respeito, bom senso. Porque podemos fazer humor e bom humor sem ofender e para já, daquilo que tenho visto, não vi em tempo algum ninguém a ofender o Gustavo, nem tão pouco a fazer a ameaças a troco de nada. Coisa que o jovem profeta dos séculos XXI fez no seu post. Vejam bem a "dica" que o sujeito faz a quem brinca com esta nova nossa senhora do coaching, ofendida faz perante o seu público. Não podem existir dois pesos e duas medidas.

Aliás, neste caso que se passou em França morreram pessoas e acho que o Gustavo não deve ter ainda percebido o significado de morte ou do acontecimento em si e a elações que pode vir a ter tanto em França e na Europa, como no resto do mundo e na visão das várias religiões. Isto é que é o problema. Se o Gustavo fosse menos egocêntrico, se calhar percebia o busílis da questão, mas não. Naturalmente que o Gustavo até tem aqui e ali um papel útil na sociedade, dado o impacto social que o programa "Querido Mudei a Casa" tem ao ajudar, por vezes, várias instituições sociais e famílias a melhorarem um pouco as suas vidas. Isso é bonito e de aplaudir. Agora utilizar um post numa rede social para referir que se sente ofendido e fazer uma metáfora, carenciada de estilo e de qualquer conteúdo, não me parece bem. E aqui sim, o Gustavo errou e errou bem. A malta pode esquecer daqui a uns tempos, mas não perdoa. Se calhar, neste caso perdeu uma boa oportunidade para estar calado. Ao menos não tivemos um vídeo daqueles em que o Gustavo explica as suas ideias entre movimentos que nos fazem lembrar o Dragon Ball e o cantor brasileiro, Iran Costa no videoclip da canção "É o bicho"…pense nisso, porque foi chocante, Gustavo. Boa noite! #Famosos