A página online «Não votem em corruptos, pensem» é, provavelmente, o site português que melhor concentra a aventura da ruína de Portugal, fazendo-o em detalhe. Se outros blogues conferem os mesmos momentos, este distingue-se pela sua persistência e pela acuidade nos seus objectivos de mostrar como se constitui e enlaça uma classe politicamente organizada para arruinar Portugal. Criado e sustentado por Zita Paiva, o site é um instrumento único para compreender a sociedade portuguesa e o programa político de corrupção que atravessa. E, mais do que um instrumento de consulta popular, é uma ferramenta de referência académica em qualquer sociologia política ou história contemporânea. É, sem dúvida, a enciclopédia da corrupção portuguesa, demonstrando o alcance da corrupção em Portugal e as suas vitimas imediatas: o povo.

É aconselhável que qualquer português, antes de obedecer à fácil tentação de se tornar num bravo eleitor, visite o site da Zita Paiva, para medir o índice de corrupção do seu político preferido, porque hoje, em Portugal, mede-se o índice de corrupção, não o de popularidade. No apodrecetuga.com a grande fatia de denúncia da corrupção cabe à acção da política central - dos governos, partidos e empresas -, estendendo-se também à oligarquia parasitária no funcionalismo publico intermédio. E mesmo o poder local não é poupado. Os exemplos são inúmeros:

· Estado gasta 25 milhões para pistas e carros de brincar. E o povo paga?

· Igreja inaugurada na Madeira custou ao estado 2,6 milhões.

· Ferreira do Amaral, na maior, ao abrigo da impunidade.

· Funcionária do Hospital de S. João trabalhou 101 dias nos últimos 7 anos.

· Instituto de Oncologia de Lisboa deixa no caixote milhões de euros em material.

São centenas de casos como estes que podemos ver no site de Zita Paiva. Casos que a escritora descreve com detalhes mais vastos do que os que são abordados na comunicação social, levantando questões como a implicação de Mário Soares e Pinto Balsemão na morte de Sá Carneiro ou o tráfego de armas. Ninguém, depois de visualizar o site, fica alheio às evidências que anunciam e testemunham uma sociedade portuguesa em decadência, em "apodrecimento".

Os documentos de Zita Paiva também podem ser visualizados no YouTube. Em contacto estabelecido com a autora acerca das consequências práticas do seu trabalho, Zita confessou: "fisicamente nunca me fizeram nada ou intimidaram, mas não faltaram respostas de "boys" do PS a desonrar a "condição feminina". E uma ou outra ameaça física, mas nunca passou disso". Zita Paiva procura um Portugal mais honrado e justo que não se conforma com o estado e a situação da sociedade portuguesa.